Habeas corpus de Lula: PM vai dividir manifestantes e isolar STF

Supremo Tribunal Federal julga nesta quarta-feira o mérito do pedido de habeas corpus do ex-presidente Lula, que quer evitar sua prisão antecipada

Habeas corpus de Lula: PM vai dividir manifestantes e isolar STF na 4ª

Julgamento no STF começa às 14h de quarta-feira

Julgamento no STF começa às 14h de quarta-feira

Banco de Imagens/Folhapress

A Secretaria da Segurança Pública do Distrito Federal decidiu bloquear o acesso ao STF (Supremo Tribunal Federal) e dividir a Esplanada dos Ministérios entre manifestantes contrários e favoráveis ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na quarta-feira (4), por causa de manifestações convocadas para acompanhar o julgamento do habeas corpus do petista. A estimativa dos organizadores é que 20 mil pessoas compareçam à Esplanada.

O bloqueio está previsto no Protocolo Tático Integrado das Manifestações, criado em abril do ano passado. O plano será acionado na madrugada de quarta-feira, impedindo o trânsito de veículos nas vias N1 e S1 do eixo monumental. Apenas o gramado e as pistas da Esplanada dos Ministérios ficarão livre para as passeatas.

Mesmo assim, haverá uma divisão dos grupos por grades vazadas, com um cordão de policiais militares entre eles. A separação dos manifestantes no gramado central vai desde a Catedral de Brasília até a Alameda dos Estados, que fica em frente ao Congresso Nacional.

Lula discursa em ato realizado no Circo Voador, no Rio

Lula discursa em ato realizado no Circo Voador, no Rio

Ricardo Moraes/Reuters

"Pelo fato de haver pessoas com ideias contrárias e de forma preventiva, os órgãos de segurança pública farão a divisão do público no canteiro central da Esplanada. Serão utilizadas duas fileiras de grades vazadas da Polícia Militar. No espaço entre elas, policiais militares ficarão posicionados a fim de evitar contato entre os dois lados", disse a secretaria, em nota.

Além disso, um cordão de isolamento com grades e policiais militares enfileirados, na altura da Alameda dos Estados, impedirá a passagem dos manifestantes até a sede do Supremo. O isolamento abrange toda a Praça dos Três Poderes, onde ficam, além do STF, o Palácio do Planalto e o Congresso Nacional.

Pixuleco

A SSP proibiu o ingresso na área de manifestações de pessoas portando fogos de artifício, sprays, produtos inflamáveis e bonecos infláveis grandes, como o Pixuleco, que representa o ex-presidente Lula vestido com uniforme de presidiário. Há outros bonecos que fazem alusão crítica a ministros do Supremo.

Na Esplanada, PMs farão pontos de bloqueio para revista e patrulhamento. O trânsito será desviado na altura da Catedral de Brasília, onde o diretório local do PT planeja realizar uma vigília cívica pela liberdade de Lula e em defesa da possibilidade de ele se candidatar a presidente.

O PT, a CUT (Central Única dos Trabalhadores) e a Frente Brasil Popular planejam fazer um ato na Esplanada, ao meio-dia, pouco antes do início da sessão plenária que concluirá o julgamento do habeas corpus de Lula.

O MBL (Movimento Brasil Livre) e o Vem Pra Rua convocaram manifestações para esta terça-feira (3). O MBL protesta às 17h em frente ao STF para "exigir a prisão" do petista. Já o Vem Pra Rua promove ato em frente ao Congresso contra a corrupção e a favor da prisão de condenados em segunda instância. As convocações estão sendo monitoradas por autoridades de inteligência.

As decisões foram tomadas por autoridades e forças de segurança do governo do Distrito Federal durante reunião ontem com os movimentos que marcaram as manifestações para discutir o esquema de policiamento.

Nem o GSI (Gabinete de Segurança Institucional da Presidência) nem a Secretaria da Segurança Pública divulgaram os efetivos que pretendem empregar.

O protocolo prevê como responsabilidade do Exército, por meio do Batalhão de Guarda Presidencial, proteger o Palácio do Planalto. A Polícia da Aeronáutica protege o Ministério da Defesa, e os Fuzileiros Navais, o Itamaraty. Os demais ministérios contam com seguranças terceirizados na parte interna. Nos arredores, cabe à Polícia Militar fazer o patrulhamento. O Palácio da Justiça também possui reforço da Força Nacional.

O Supremo possui seguranças próprios na sede — são 149 vigias, entre homens armados e desarmados. Uma equipe de delegados da Polícia Federal também trabalha no tribunal. O Congresso Nacional possui policiamento legislativo próprio.