CPI da Covid

Brasil Hallal diz à CPI ter sido censurado em evento no Palácio do Planalto

Hallal diz à CPI ter sido censurado em evento no Palácio do Planalto

Epidemiologista contou que slide que mostrava alto contágio de índios no país foi retirado de apresentação do Epicovid-19 em 2020

  • Brasil | Do R7

Hallal diz que estudo foi interrompido sem explicação

Hallal diz que estudo foi interrompido sem explicação

Jefferson Rudy/Agência Senado - 24.06.2021

O epidemiologista Pedro Hallal, da Ufpel (Universidade Federal de Pelotas), afirmou nesta quinta-feira (24) à CPI da Covid que um slide que mostrava o alto grau de contágio dos indígenas do país foi retirado arbitrariamente de sua apresentação dos resultados do Epicovid-19, em evento no Palácio do Planalto, em junho de 2020.

Hallal coordenou o programa financiado pelo Ministério da Saúde que tinha como meta monitorar o avanço do novo coronavírus no Brasil. O projeto foi a campo entre maio e junho do ano passado, e acompanhou moradores de 133 cidades.

O epidemiologista contou que o estudo descobriu que o número de indígenas infectados em junho de 2020 era 5 vezes maior do que a quantidade de infectados na população branca.

"Pegando a fase 3 do estudo, [vimos que] 7,8% dos índios já tinham tido contato com o vírus, e entre os brancos esse percentual era 1,7%. Esse abismo de diferença foi o que o Epicovid mostrou", disse Hallal.

"Esse slide que apresentava a diferença entre os grupos étnicos foi censurado na coletiva de imprensa do Palácio do Planalto na qual apresentei os resultados dessa pesquisa", contou o professor da Ufpel.

"Faltando 15 minutos, fui avisado pela assessoria de comunicação do Planalto de que o slide tinha sido retirado da apresentação."

Logo depois, acrescentou o pesquisador, o Ministério da Saúde decidiu interromper  o monitoramento, sem qualquer justificativa técnica.

Questionado pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) se sabia dizer de quem partiu a censura, Hallal respondeu que não poderia ter certeza sa ordem tenha saído de pessoas do evento ou de uma autoridade superior.

"Mas quem estava lidando com a questão da coletiva e participou dela foi o secretário executivo do ministério à época, Elcio Franco, que acho que até esteve aqui na CPI. Então, antes que se tenha outra informação, foi dele a decisão de que aquele slide mostrando a desigualdade étnico-racial não poderia ser apresentada no Palácio do Planalto."

Outros dados

Pedro Hallal falou à CPI também que ontem, quarta-feira (23), 33% das mortes no mundo por covid ocorreram no Brasil, país com 2,7% da população geral. 

Ele disse ainda que se o país tivesse se mantido na média mundial de óbitos por causa da pandemia, quatro em cada cinco mortes seriam evitados..

"Não ocorreria isso se estivéssemos com desempenho maravilhoso, não, como Nova Zelândia, Coreia, Vietnã. Um aluno que tira nota média na prova. [Se fosse assim] Nós teríamos poupado 400 mil vidas no Brasil."

O epidemiologista comentou que, ao contrário de outros países, o Brasil não tem ondas definidas de covid. "A segunda passou por cima da primeira e a terceira agora passa por cima da segunda."

Hallal citou ainda um estudo que aponta que se o país tivesse aceitado os lotes de vacina oferecidos em 2020 ao governo federal, 145 mil mortes poderiam ter sido evitadas.

Últimas