Novo Coronavírus

Brasil Ibaneis quer lockdown de 15 dias; grupos organizam protestos no DF

Ibaneis quer lockdown de 15 dias; grupos organizam protestos no DF

Novo decreto deve ser publicado ainda hoje estabelecendo o prazo de 15 dias para as medidas mais restritivas

  • Brasil | Do R7

Ocupação de leitos de UTI chegou a 98%

Ocupação de leitos de UTI chegou a 98%

Marcello Casal Jr - 22.04.2020/Agência Brasil

O lockdown decretado em todo o Distrito Federal a partir da zero hora de domingo (28) pode durar 15 dias. A informação foi dada neste sábado (27) pelo governador Ibaneis Rocha (MDB), após reunião com seus secretários.

Segundo ele, um novo decreto deve ser publicado ainda hoje estabelecendo o prazo de 15 dias para as medidas mais restritivas. "Esse lockdown não é como foi no passado. Temos agora um horizonte. Vamos colocar prazo para o decreto de 15 dias de suspensão das principais atividades e vamos fazendo a liberação", afirmou o governador em declaração à imprensa, após a reunião com sua equipe.

O anúncio de suspensão de atividades não essenciais provocou a mobilização de representantes do comércio e do setor produtivo. Pelo menos duas manifestações já estão previstas para os próximos dias na capital federal.

A primeira deve ocorrer neste domingo (28), às 11h. Uma convocação está circulando pelas redes sociais para a concentração do movimento num centro comercial no Lago Sul, região nobre de Brasília, onde mora o governador. A intenção é realizar uma carreata até a residência de Ibaneis. Na segunda, também às 11h, está programada uma nova manifestação em frente ao Palácio do Buriti, sede do governo do Distrito Federal. Os manifestantes devem se reunir no estacionamento do Estádio Mané Garrincha e seguir em carreata até o Buriti.

O decreto editado ontem pelo governo do Distrito Federal não estabeleceu prazo para o fim da suspensão de todas as atividades e o funcionamento de estabelecimentos comerciais e industriais considerados não essenciais. A medida foi tomada após a ocupação dos leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) específicos para pacientes com a covid-19 atingir 98% no fim da tarde desta sexta-feira.

A medida é mais rigorosa do que a anunciada na quinta-feira (25), quando Ibaneis havia decidido restringir apenas o funcionamento dos estabelecimentos entre 20h e 5h. As escolas da rede privada, que já tinham retomado as aulas presenciais, também serão fechadas.

Segundo Ibaneis, já foram feitas tratativas com o Ministério da Saúde para que haja uma ampliação na oferta de UTIs no DF. "Até sexta-feira (5), temos condições de abrir mais 100 unidades de UTIs, o que vai nos dar um determinado conforto. Vamos baixar para 85% de ocupação", afirmou o governador.

Ibaneis informou ainda que, já a partir de amanhã, o Banco de Brasília vai divulgar uma nova plataforma econômica, com investimentos de R$ 2,5 bilhões para socorrer o empresariado local. "Vamos dar resultado e rápido para que a sociedade sofra o mínimo possível", disse o governador.

Segundo ele, agora o DF tem toda a expertise no que diz respeito ao tratamento da covid-19. "Temos um número muito elevado de casos, mas a mortalidade é baixa", disse o governador. Segundo dados do Ministério da Saúde, o Distrito Federal acumulava até ontem 4.819 mortes em decorrência do novo coronavírus e 294.911 casos da doença.

Só estão autorizados a manter o funcionamento no DF supermercados, hortifrutigranjeiros, mercearias, padarias, postos de combustíveis, farmácias, hospitais, clínicas e consultórios médicos e odontológicos, laboratórios, clínicas veterinárias, comércio atacadista, lojas de conveniência e minimercados em postos de combustíveis exclusivamente para a venda de produtos; serviços de fornecimento de energia, água, esgoto, telefonia e coleta de lixo; lojas de material de construção, além de igrejas e templos religiosos.

Últimas