Dia da mulher 2017
Brasil Ibope: 75% dos brasileiros querem prioridade para promoção da igualdade de gênero nas cidades

Ibope: 75% dos brasileiros querem prioridade para promoção da igualdade de gênero nas cidades

Pesquisa ecomendada pela ONU Mulheres tem como objetivo melhorar os ambientes urbanos

Ibope: 75% dos brasileiros querem prioridade para promoção da igualdade de gênero nas cidades

Pesquisa revela importância dada para promoção de igualdade de gênero

Pesquisa revela importância dada para promoção de igualdade de gênero

Getty Images

Uma pesquisa do Ibope encomendada pela ONU Mulheres mostra que 75% da população brasileira considera de grande ou extrema importância que gestores, gestoras, legisladores e legisladoras desenvolvam políticas de promoção da igualdade entre mulheres e homens. Considerando-se apenas as mulheres, esse número cresce para 78%, enquanto que entre os homens esse percentual é de 71%.

O estudo foi realizado no contexto da "Agenda Cidades 50-50: Todas e todos pela igualdade" e apresenta informações estratégicas sobre a importância das políticas públicas municipais para a promoção da igualdade de gênero. Os resultados indicam o nível de prioridade que os atuais prefeitos e prefeitas, vereadores e vereadoras devem conferir a diversas áreas avaliadas em nível macro e a partir de questões específicas.

Para 77% da população são muito/extremamente importantes políticas públicas que incentivem as mesmas oportunidades de acesso e desenvolvimento na educação e na cultura. Já 78% consideram muito ou extremamente importante que as prefeituras e câmaras municipais promovam políticas que incentivem o acesso de mulheres e homens as mesmas oportunidades de trabalho e mesmos salários. E 69% consideram muito/extremamente importante que prefeitos/as, prefeitas, vereadoras e vereadores promovam políticas visando assegurar oportunidades iguais de atuação em partidos políticos e governos para mulheres e homens.

Diferença salarial entre gêneros piora em 2016 e igualdade só deve ser atingida em 170 anos

De acordo com a representante da ONU Mulheres no Brasil, Nadine Gasman, a pesquisa é um marco para a articulação entre gestão municipal e gênero porque estabelece indicadores de demanda por igualdade entre mulheres e homens nas cidades.

— Passamos a ter dados sobre as percepções de brasileiras e brasileiros sobre as suas condições de vida no contexto das relações de gênero, assim como a indicação sobre o que deve ser feito por prefeitas e prefeitos em áreas fundamentais da vida de uma cidade, tais como trabalho, salário, educação e participação política, agregando as dimensões de raça e etnia às questões de gênero. São informações preciosas e totalmente de acordo com os desafios assumidos pelo governo brasileiro no marco da Agenda de Desenvolvimento Sustentável, com vistas ao enfrentamento das desigualdades de gênero e à eliminação do racismo.

8 em cada 10 mulheres querem cidades mais igualitárias

Se 3 em cada 4 brasileiros e brasileiras consideram fundamental a construção de cidades mais igualitárias, a análise dos dados segmentados por sexo evidencia como as mulheres tenderão a cobrar mais reconhecimento e garantia de direitos às novas gestões das prefeituras e legislativos municipais.

A pesquisa indica que prefeitas, prefeitos, vereadoras e vereadores devem olhar com muita atenção as demandas das mulheres, que têm estado à frente de manifestações de rua, ocupações de escolas e são mais de metade da força de trabalho no país. De acordo com o estudo, são 81% as mulheres que consideram muito ou extremamente importante a igualdade no mercado de trabalho, enquanto 73% dos homens têm a mesma opinião.

Ao aplicar-se um recorte por raça/cor, os números encontrados são semelhantes. Para 75% dos brancos e brancas, 74% dos negros e negras (pretos, pretas e pardos e pardas) e 78% das pessoas que se autodeclaram de outra raça/cor (amarelos, amarelas e indígenas, por exemplo) o desenvolvimento de políticas públicas de igualdade de gênero tem muita/extrema importância.

Metodologia

Para chegar ao inédito indicador de demanda por equidade de gênero nas cidades, as pessoas entrevistadas responderam sobre que grau de importância vereadoras, vereadores, prefeitas e prefeitos devem dar a três dimensões: mesma oportunidades de acesso e desenvolvimento na educação e na cultura; no mercado de trabalho e mesmos salários; e de atuação nos partidos políticos e nos governos.

Ao todo foram realizadas 2.002 entrevistas com homens e mulheres de 16 anos ou mais em 143 municípios. A margem de erro de 2 pontos percentuais.

Secretário-geral da ONU defende empoderamento feminino