Imprensa internacional destaca saída de Teich como 'crise' no Brasil

Em Portugal, notícias são de que médico sai "por se sentir desautorizado por Bolsonaro, contrário ao isolamento e favorável ao uso da cloroquina"

Imprensa internacional repercute saída de Nelson Teich do Ministério da Saúde

Imprensa internacional repercute saída de Nelson Teich do Ministério da Saúde

Wallace Martins/Futura Press/Estadão Conteúdo - 6.5.2020

O pedido de demissão do ministro da Saúde do Brasil, Nelson Teich, recebeu destaque nos principais sites da imprensa mundial. Teich pediu demissão menos de um mês depois de assumir o cargo e sai após entrar em choque com o presidente da República, Jair Bolsonaro.

Leia mais: Hidroxicloroquina: entenda a razão do atrito entre Teich x Bolsonaro

O Diário de Notícias destaca em sua primeira página a manchete: "Cai o segundo ministro da saúde do Brasil durante a pandemia". No texto, o periódico afirma que o médico oncologista pediu demissão "por se sentir desautorizado por Jair Bolsonaro, contrário ao isolamento e favorável ao uso da não testada hidroxicloroquina".

Veja também: Oncologista, Teich tinha missão de equilibrar isolamento e economia

O Expresso também traz a notícia sobre a demissão de Teich e enfatiza que o "Brasil volta a ficar sem ministro da Saúde".

A publicação portuguesa explica que "depois dos desentendimentos entre o ministro da Saúde brasileiro e o presidente Jair Bolsonaro, Nelson Teich decidiu apresentar a demissão de um cargo que ocupa há menos de um mês".

No restante do mundo, o site canadense National Post também destaca a renúncia do ministro.

O Yahoo Notícias também já mancheta a notícia, e a Al Jazeera afirma que o "ministro discordava com Bolsonaro sobre a resposta do País ao coronavírus".

Imprensa norte-americana

O jornal norte-americano The New York Times destacou logo no início do site, onde há um ao vivo sobre a pandemia do novo coronavírus, a demissão do ministro brasileiro. "Ministro da Saúde do Brasil deixa o cargo após menos de um mês após choques com Bolsonaro", diz a chamada. O jornal destaca ainda a demissão do ministro anterior, Luiz Henrique Mandetta pelos mesmos atritos com o presidente da República.

O também norte-americano Washington Post segue a mesma Linha e destaca em seu ao vivo a notícia do País. "Brasil perde seu segundo ministro da Saúde em menos de um mês", diz a chamada. A notícia ressalta o embate com Bolsonaro sobre o uso da cloroquina no tratamento da covid-19.

O espanhol El País, em sua versão Américas, colocou a notícia em sua manchete. "Ministro da Saúde do Brasil apresenta sua renúncia após menos de um mês no cargo". Em seguida, o site destaca o número de quase 14 mil mortos e 206 mil casos confirmados no País.

Na página do inglês The Guardian, a notícia também aparece no destaque do ao vivo sobre a pandemia. "Brasil: segundo ministro da Saúde renuncia em menos de um mês enquanto as mortes por covid-19 aumentam". O jornal chama a demissão de Teich de "repentina".

América Latina

A imprensa da América Latina também destaca a demissão de Teich. O argentino Clarín afirma: Situação no Brasil: renunciou o segundo ministro da Saúde de Bolsonaro: ficou no cargo menos de um mês."

Outro jornal argentino, o La Nación afirma "Crise: renunciou o ministro da Saúde de Bolsonaro menos de um mês depois de assumir".

O El Comercio do Equador destaca a notícia como primeiro item do setor ao vivo: Ministro da Saúde do Brasil renuncia após incompatibilidades com Jair Bolsonaro.

O paraguaio ABC Color colocou na manchete da área Mundo a notícia sobre o Brasil. "Ministro da Saúde do Brasil se demite com a pandemia em pleno crescimento".