Justiça mantém determinação para que Bolsonaro entregue exames

Caso não apresente o documento para comprovar que não foi contaminado pelo novo coronavírus, Bolsonaro deverá arcar com multa diária de R$ 5.000

Bolsonaro apresentou laudo para negar contaminação

Bolsonaro apresentou laudo para negar contaminação

Adriano Machado / Reuters - 11.4.2020

O TRF3 (Tribunal Regional Federal da Terceira Região) manteve nesta quarta-feira (6) a determinação para que o presidente Jair Bolsonaro apresente os resultados dos exames para verificar se foi contaminado ou não pelo novo coronavírus.

Caso não cumpra a decisão, Bolsonaro deverá pagar uma multa fixada em R$ 5.000 por dia de omissão injustificada. 

"A urgência da tutela é inegável, porque o processo pandêmico se desenrola diariamente, com o aumento de mortos e infectados. A sociedade tem que se certificar que o Sr. Presidente está ou não acometido da doença", observa o desembargador André Nabarrete.

Após receber a decisão inicial pela apresentação dos exames, a AGU (Advocacia-Geral da União) entregou apenas um laudo médico à Justiça, que não aceitou o documento e estabeleceu que as comprovações fossem entregues até o sábado passado (2). A AGU ainda conseguiu derrubar a obrigatoriedade, mas foi novamente derrotada nesta quarta-feira.

Leia também: 'Talvez tenha pego esse vírus e nem senti', diz Bolsonaro

"Embora se entenda que, de maneira geral, a transparência, publicidade devem nortear os assuntos relativos ao Sr. Presidente da República, a situação de pandemia, pela gravidade que tem, inclusive reconhecida pela Lei nº 13.979/20, exacerba a necessidade e urgência da divulgação à sociedade dos exames médicos, para que não pairem dúvidas sobre a condição física da autoridade", avalia Nabarrete.

A determinação recorda ainda que outras autoridades revelaram com documentação seu estado de saúde após contraírem a covid-19.