Brasil Lorenzoni: não faltaram coordenação e planejamento na pandemia

Lorenzoni: não faltaram coordenação e planejamento na pandemia

Ministro defendeu governo Jair Bolsonaro em evento de assinatura de MP sobre novas regras para o ambiente de negócios

Agência Estado
Lorenzoni durante assinatura da MP para melhoria do ambiente de negócios no Brasil

Lorenzoni durante assinatura da MP para melhoria do ambiente de negócios no Brasil

Marcos Corrêa/PR - 29.03.2021

Apesar do atraso na vacinação e do colapso na Saúde em várias regiões do País, com falta de leitos hospitalares, oxigênio e medicamentos para intubação, o ministro da Secretaria-Geral, Onyx Lorenzoni, afirmou nesta segunda-feira (29) que não faltaram coordenação e planejamento por parte do governo durante a pandemia da covid-19.

Bolsonaro assina MP que busca melhorar ambiente para negócios

Uma das provas da eficiência do governo, segundo Lorenzoni, foi a assinatura de MP (Medida Provisória) nesta manhã sobre novas regras para o ambiente de negócios.

"Este é o governo que foi e é eficiente e prova isso com essa medida provisória, que vai permitir que o Banco Mundial, quando fizer avaliação do Brasil, faça o Brasil ascender 20 posições, em busca do sonho de chegar entre os 50 países mais competitivos do mundo", declarou Onyx em evento no Planalto para a assinatura da MP.

O ministro destacou que Bolsonaro "foi o primeiro líder mundial em março do ano passado a dizer que precisávamos cuidar da vida e do emprego". Segundo ele, o País "foi e é fraterno pela ação do seu presidente", que vai atrás do "Brasil real".

Apesar da fala de Lorenzoni, a gestão de Bolsonaro durante a pandemia foi marcada por desestímulo às medidas sanitárias de prevenção contra o novo coronavírus, como evitar aglomerações, praticar o isolamento e o uso de máscaras.

A própria vacina também foi colocada em dúvida por Bolsonaro. Mesmo com a oferta insuficiente para o País, Onyx Lorenzoni afirmou que o Brasil será "em breve" um exportador do imunizante e criticou a imprensa brasileira.

"Muito em breve Brasil não só produzirá vacinas como irá atender toda a América do Sul e a toda América Latina como país exportador (de vacina). Apenas mais seis países no mundo farão isso. Isso foi feito sob comando do presidente Bolsonaro e sua equipe, quer a imprensa brasileira ou não", disse.

Em seu discurso, na mesma linha adotada por Bolsonaro, Lorenzoni falou contra as medidas de fechamento como forma de evitar a disseminação da doença. "Mandam fazer o lockdown, jogam policiais contra cidadãos, cidadãos que clamam pelo direito constitucional de ir e vir, de poder trabalhar. Em que país nós estamos?", indagou.

Na semana passada, o ministro afirmou que seria inviável ter um lockdown na população porque é impossível ter um lockdown de insetos no Brasil, os quais, segundo ele, carregam o coronavírus.

"Reclamam que deveria ter coordenação central (da pandemia). Coordenação é o que não falta nesse governo. Planejamento é o que não falta nesse governo. Mas, o que falta em parte da imprensa engajada brasileira é a verdade", declarou.

Lorenzoni disse ainda que o povo brasileiro sabe que o presidente é "rigorosamente constitucional" e que seu governo é "rigorosamente eficiente e fraterno". Pesquisas mostram, contudo, queda na avaliação da gestão de Bolsonaro durante a crise sanitária.

Últimas