Operação Lava Jato
Brasil Lula: “Não acredito que Dona Marisa tenha pedido por reformas no sítio”

Lula: “Não acredito que Dona Marisa tenha pedido por reformas no sítio”

Ex-presidente afirma que a única pessoa capaz de responder sobre o custo e as obras do sítio é o dono da propriedade

Sìtio

Lula garante que conheceu o sítio já pronto

Lula garante que conheceu o sítio já pronto

Reprodução/JFPR

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) prestou depoimento nesta quarta-feira (14) para a juíza Gabriela Hardt no processo relacionado ao sítio de Atibaia (SP). Ele afirmou não acreditar que a ex-primeira-dama Marisa Letícia tenha pedido para que as construtoras fizessem reformas no local.

"Agora ficou fácil citar o nome da Dona Marisa porque ela morreu. Eu, sinceramente, não acredito que a Dona Marisa tivesse efetivamente relação para pedir para uma empresa fazer obras", disse o ex-presidente.

"Acho que quem citou isso está tentando encontrar uma solução cômoda para uma pessoa que já está morta", afirmou.

Entenda o que está em jogo no caso do sítio de Atibaia

"A única coisa que eu tenho a tranquilidade de dizer é que não sei dizer quanto custou, quanto gastou, quem fez, por quê fez e o que fez", disse Lula, que completou: "Quem pode dizer isso é o dono do sítio".

O ex-presidente garante que conheceu o sítio já pronto. "Eu tinha deixado a presidência da República, estava de férias e me falaram que o Jacó Bittar tinha comprado um sítio e perguntado se eu queria passar um final de semana lá", recorda. "As pessoas, quando compraram o sítio, tomaram uma decisão de que o Lula não poderia saber de nada porque era contra a ideia de comprar qualquer coisa".

Questionado sobre os objetos particulares encontrados no quarto principal do sítio, Lula disse que ocupava o cômodo quando ofereciam a ele. "Isso era uma deferência que eu recebia tanto na chácara, como no palácio da rainha da Inglaterra, da rainha da Suécia e em vários lugares que eu frequentei, inclusive no Kremlin. Eu tive o prazer de ser convidado a dormir no Kremlin", afirmou.