Novo Coronavírus

Brasil Maia e Guedes rompem relações por causa de socorro emergencial

Maia e Guedes rompem relações por causa de socorro emergencial

Ministro está convencido de que o presidente da Câmara trabalha para "explodir" as finanças de Bolsonaro e inviabilizar recuperação econômica

Agência Estado
Rodrigo Maia (à esquerda), Davi Alcolumbre e Paulo Guedes (à direita)

Rodrigo Maia (à esquerda), Davi Alcolumbre e Paulo Guedes (à direita)

Adriano Machado/Reuters

A votação do projeto de socorro emergencial do governo a estados e municípios fez romper a relação do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), com o ministro da Economia, Paulo Guedes. Os dois não têm mais contato, como revelou o próprio presidente Jair Bolsonaro em entrevista após a demissão de Luiz Henrique Mandetta do cargo de ministro da Saúde.

Guedes está convencido que Maia trabalha para "explodir" as finanças de Bolsonaro e inviabilizar uma recuperação econômica do país numa articulação com os dois principais adversários do presidente: os governadores João Doria (São Paulo) e Wilson Witzel (Rio de Janeiro).

Leia também: Socorro a Estados com impostos 'é irresponsabilidade', diz Guedes

A auxiliares e amigos, Guedes tem repetido nas últimas semanas que o governo não vai financiar o que chama de "farra eleitoral" com disfarce de combate à covid-19.

O ministro compartilha da visão do presidente, que, em entrevista, acusou Maia de querer dar um golpe político no governo ao colocar os governadores contra Bolsonaro e posar de "primeiro-ministro".

Leia também: Guedes vai defender atuação do FMI para países em desenvolvimento

O presidente da Câmara, por outro lado, reclama que a equipe de Guedes se valeu de números "fakes" para impedir uma ajuda mais do que necessária aos governadores e prefeitos.

Numa das últimas mensagens trocadas com Maia, o ministro mandou uma mensagem pelo celular acompanhada de artigo dos economistas Marcos Lisboa e Marcos Mendes alertando para o problema que a proposta de ajuda aos estados poderia gerar. A resposta do outro lado: "Está tudo tranquilo. Eu vou aprovar".

Guedes disse que não havia acordo. "Daqui não passo", declarou o ministro da Economia, que vem chamando o projeto da Câmara de "arrombamento geral da República".

Leia também: Maia diz que governo deve assumir recomposição de ICMS e ISS

Mesmo com a articulação do governo, no Senado não houve acordo para votação essa semana, principalmente depois que 25 governadores pediram em carta que os senadores aprovassem integralmente o projeto.

Últimas