Maia, sobre adiar eleições: hora de focar na pandemia do coronavírus

Presidente da Câmara ainda citou cálculo do Ministério da Saúde, de que a curva de infecções da doença começa a cair em setembro

Maia diz que é precipitado pensar em eieições

Maia diz que é precipitado pensar em eieições

FELIPE RAU/ESTADÃO CONTEÚDO

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), discordou nesta domingo (22) da necessidade imediata de se discutir o adiamento das eleições municipais, agendadas para outubro.

Saiba como se proteger e tire suas dúvidas sobre o novo coronavírus

Para ele, o debate deve ficar para depois, ante a necessidade de enfrentamento da pandemia da covid-19 e da consequente crise sanitária e econômica no país.

"Hora de focar no enfrentamento da crise", disse Maia ao jornal O Estado de S. Paulo. "Vamos cuidar do combate ao vírus."

O presidente da Câmara afirmou que entende que não haverá necessidade de adiar o pleito de prefeitos e vereadores, caso as projeções de seu correligionário, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, estejam corretas. O ministro previu um aumento das infecções em abril, maio e junho, seguido de estabilização em julho e agosto e decréscimo da curva em setembro.

"Se a projeção na curva de contaminação do ministro Mandetta estiver certa, não haverá necessidade de adiar a eleição", avaliou Maia.

O deputado ainda lembrou que o ministro Luís Roberto Barroso, que será presidente do Tribunal Superior Eleitoral a partir de maio, se manifestou contrário à ideia.

Em nota, Barroso afirmou que a "realização de eleições periódicas é um rito vital para a democracia" e que a mudança depende de emenda constitucional, a cargo do Congresso Nacional. "Se o Poder Legislativo vier a alterar a data das eleições, trabalharemos com essa nova realidade."