Mais de 60% dos brasileiros defendem a prisão do ex-presidente Lula

Resultado é de pesquisa inédita do Instituto Paraná Pesquisas

Mais de 60% dos brasileiros defendem a prisão do ex-presidente Lula

O ex-presidente Lula é investigado por ocultação de patrimônio nos casos do tríplex do Guarujá e do sítio em Atibaia

O ex-presidente Lula é investigado por ocultação de patrimônio nos casos do tríplex do Guarujá e do sítio em Atibaia

Reprodução

A maioria dos brasileiros, ou 62,6%, defendem a prisão do ex-presidente Lula. O resultado é de pesquisa de opinião feita pelo Instituto Paraná Pesquisas, obtida com exclusividade pelo R7.

À mesma pergunta, se o ex-presidente deveria ser preso, 26,3% dos entrevistados responderam que não, 9,4% disseram que ele talvez deveria ser preso e 1,7% não soube responder.

O ex-presidente Lula é investigado por ocultação de patrimônio nos casos do tríplex do Guarujá e do sítio em Atibaia, ambos no Estado de São Paulo.

Para o diretor do Instituto Paraná Pesquisas, Murilo Hidalgo, as pesquisas mostram em números que a rejeição ao ex-presidente Lula só tem aumentado nos últimos meses.

— O que observamos é que a rejeição dele só tem aumentado com os últimos acontecimentos, como a nomeação para Casa Civil, decisão do Moro de depoimento. Por isso aumenta o desejo dos que não gostam dele de vê-lo preso.

Apesar dos brasileiros acharem que Lula deveria ser preso, a maioria dos entrevistados, ou 54,7%, não acreditam que ele acabará preso. Os que acreditam que ele será preso são 31,2%. Já 12,6% disseram acreditar que talvez Lula seja preso e 1,5% não soube ou não respondeu.

A pesquisa foi realizada em 162 municípios de 24 Estados brasileiros entre os dias 3 e 6 de abril. A amostra é de 2.044 habitantes e tem grau de confiança de 95%. As entrevistas foram pessoais. A margem de erro para os resultados gerais é de dois pontos percentuais.

O número de brasileiros que acreditam na prisão de Lula, no entanto, aumentou na comparação com a última pesquisa feita com a mesma pergunta pelo Paraná Pesquisas no início de março. Na época, 63,4% disseram acreditar que ele não seria preso ante 23,7% que disseram acreditar na prisão. 9,5% disseram que ele talvez seja preso e 3,7% não sabem ou não responderam.