Marco Aurélio rejeita pedido do PDT de afastar Paulo Guedes

Partido alega que, antes de assumir a vaga na Economia, ministro fora investigado por supostas fraudes em fundos de pensão

Marco Aurélio viu erro técnico no pedido

Marco Aurélio viu erro técnico no pedido

Edu Andreade/Ascom/ME - 30.06.2020

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), rejeitou um pedido apresentado pelo PDT de afastar o ministro da Economia, Paulo Guedes, até a conclusão de investigações pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal, principalmente pela força-tarefa da operação Greenfield, sobre supostas fraudes em fundos de pensão.

Leia mais: Agenda liberal patina e Guedes perde apoio

A decisão de Marco Aurélio foi de arquivar o pedido por um motivo técnico, de que deveria ter sido adotado outro meio para supostamente sanar o ato irregular.

O PDT havia pedido na quarta-feira (12) uma liminar do STF para afastar Guedes com a alegação de que, antes de assumir como ministro, pesava contra Guedes investigações acerca de fraudes em fundos de pensão, “o que denota nítido desvio de finalidade e inconteste acinte aos princípios constitucionais da moralidade e da impessoalidade administrativa”.

Em nota, a defesa do ministro disse que "ficou evidente o abuso do partido, ao tentar fazer um pedido descabido, desleal e sem qualquer lastro na realidade dos fatos, com o único objetivo de desestabilizar a economia do país".

"É importante registrar, mais uma vez, que Paulo Guedes foi duas vezes inocentado pela CVM e que os fundos administrados por sua gestora antes de assumir o ministério deram lucro aos fundos de pensão que neles investiram", afirmaram os advogados Ticiano Figueiredo e Pedro Ivo Velloso.