Brasil Milhares vão às ruas neste sábado contra o governo Bolsonaro

Milhares vão às ruas neste sábado contra o governo Bolsonaro

No Rio de Janeiro, houve princípio de tumulto no encerramento do protesto. Em São Paulo, manifestantes foram à avenida Paulista

  • Brasil | Do R7, com AFP e Estadão Conteúdo

Protesto no Rio de Janeiro aconteceu pela manhã e se concentrou na região central da cidade

Protesto no Rio de Janeiro aconteceu pela manhã e se concentrou na região central da cidade

IDE GOMES/FRAMEPHOTO/ESTADÃO CONTEÚDO

Milhares de brasileiros foram às ruas neste sábado (24) em protestos contra o governo Jair Bolsonaro organizados em todo o país e também no exterior.

Este é o quarto dia de manifestações convocadas por partidos de esquerda, sindicatos e movimentos sociais contra o presidente, que também está sendo investigado pela PGR (Procuradoria-Geral da República) por não ter denunciado suspeitas de irregularidades na negociação da Covaxin, vacina contra a covid-19 do laboratório indiano Bharat Biotech.

Até o meio-dia, haviam sido realizadas manifestações em pelo menos cinco capitais, entre elas Recife e Belém, com críticas ao atraso da campanha de vacinação, ao disparo do desemprego e apelos pelo aumento do auxílio emergencial.

No Rio de Janeiro, o protesto começou cedo, com uma multidão concentrada no monumento Zumbi dos Palmares, no centro da cidade. Manifestantes pediam o impeachment do presidente e posicionavam-se contra ameaças de não realização das eleições. A gestão federal no enfrentamento à pandemia também era criticada. No fim do protesto, a Polícia Militar abordou alguns manifestantes. Houve princípio de tumulto nas imediações.

Em Salvador, também pela manhã, os participantes se reuniram na Praça do Campo Grande e, em seguida, saíram no sentido da Praça Principal. Eles gritavam palavras de ordem e exibiam faixas e cartazes.

Em São Paulo, a concentração começou por volta das 15h, na avenida Paulista, que teve restrições no trânsito de veículos.

Em Brasília, o ato também ocorreu à tarde. Começou com concentração de pessoas e carros de som no início da Esplanada dos Ministérios, em frente à Biblioteca Nacional. Em seguida, os manifestantes caminharam com placas e cartazes em direção ao Congresso Nacional.

Em Belo Horizonte, os manifestantes se reuniram na Praça da Liberdade, onde exibiram um boneco inflável gigante que fazia alusão ao presidente. Eles fizeram críticas ao uso do medicamento cloroquina no tratamento da doença.

A previsão da campanha Fora Bolsonaro, criada pela Frente Brasil Popular e a Frente Povo sem Medo, era de promover 468 atos em todos os Estados brasileiros e em outros 12 países.

Bolsonaro vive seu pior momento desde que chegou ao poder em 2019. Sua popularidade está no nível mais baixo, 24%.

Os atos convocados para hoje ganharam ainda mais força após a notícia de que o ministro da Defesa, Walter Braga Netto, teria enviado uma ameaça ao presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), de que não haveria eleições em 2022 se não fosse aprovado o voto impresso. Braga Netto nega. 

O presidente retomou seus tradicionais passeios de moto neste sábado, seis dias após receber alta hospitalar. Ele visitou localidades no entorno de Brasília, conversou com apoiadores e posou para fotos.

Os protestos ocorrem em meio a um patamar ainda considerado elevado de casos e mortes por covid-19 no país, além da preocupação com o avanço da variante Delta do coronavírus.

Ontem, foram registradas mais de 108 mil novas infecções, o segundo maior número desde o início da pandemia. 

Manifestação em Recife (PE) no bairro do Derby

Manifestação em Recife (PE) no bairro do Derby

PEDRO DE PAULA/CÓDIGO19/ESTADÃO CONTEÚDO

Protesto também nas redes sociais

Integrantes da oposição foram às redes sociais para incentivar as pessoas a aderirem aos protestos de hoje.

O líder da oposição na Câmara dos Deputados, Alessandro Molon (PSB-RJ), convocou o povo às ruas e recomendou o uso de máscara. "FORA BOLSONARO! Hoje é dia de ir às ruas dizer basta a esse desgoverno e defender a democracia. Coloca a máscara e vem com a gente!"

O ex-candidato à Presidência Guilherme Boulos (PSOL) postou imagens da manifestação em João Pessoa. "Mais um dia de ir às ruas gritar em alto e bom som: FORA BOLSONARO! Miliciano, corrupto e genocida! Não esqueça de usar máscara e álcool em gel", postou, em seu perfil no Twitter.

Últimas