Ministério de Damares pede comida a pessoas na rua e rebate Bia Doria

Pasta se posicionou de forma contrária à afirmação da mulher do governador de SP, que disse que dar alimentos estimula permanência na rua

A ministra Damares Alves

A ministra Damares Alves

Marcello Casal JrAgência Brasil - 15.05.2020

O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, comandado por Damares Alves, divulgou na noite de sexta-feira (3) uma nota com críticas às declarações de Bia Doria, primeira-dama de São Paulo e mulher do governador João Doria (PSDB), em um vídeo que viralizou. Ela afirmou, ao lado da socialite Val Marchiori, que não se deve doar alimentos a moradores de rua porque a pessoa tem que se conscientizar que tem que sair da rua. E disse ainda que a rua é um atrativo.

Segundo o ministério da Damares, "é correto sim dar marmitas às pessoas em situação de rua! E ainda abrigo, moradia, dignidade".

Segundo a pasta, a população em situação de rua precisa de políticas públicas bem definidas. "Essa condição que desnuda o ser humano da sua dignidade precisa ser enfrentada com projetos que efetivamente promovam a saída da situação de rua". 

Bia Doria pede desculpas após fala: 'Eu tenho a consciência tranquila'

A pasta divulgou números dando conta de que, na capital paulista, 33.808 famílias estão em situação de rua. No estado são 60.996, segundo o banco de dados Cadúnico, em março de 2020. Já as vagas para acolhimento na cidade de São Paulo não chegam a 18 mil, segundo o ministério.

A equipe de Damares diz estar ciente do problema e que propõe ações para mudar essa realidade. Mas que, enquanto isso não se concretize, é preciso ações como dar alimentos. "E com isso resgatar-lhes um pouco da sua dignidade e mostrar-lhes que os reconhecemos como cidadãos brasileiros, e que a nação também precisa deles, reinseridos no seio social, para que todos nós juntos participemos da construção de dias melhores para todos", afirmou na nota.M