Novo Coronavírus

Brasil Ministério orienta vacinação para quem tem doença preexistente

Ministério orienta vacinação para quem tem doença preexistente

Exames, receitas médicas e relatórios podem ser apresentados no momento da vacinação das pessoas com comorbidades

  • Brasil | Do R7

Vacinação contra covid-19 em idosos com mais de 65 anos na UBS de São Paulo

Vacinação contra covid-19 em idosos com mais de 65 anos na UBS de São Paulo

WILLIAN MOREIRA/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO-21/04/2021

Mais de 17 milhões de pessoas com doenças preexistentes começam a ser vacinadas a partir de maio. As chamadas comorbidades incluem, por exemplo, problemas cardíacos e do pulmão, hipertensão arterial e diabetes, entre outras doenças que podem oferecer risco de agravamento da covid-19. 

Leia também: Queiroga mira eficácia, mas admite coquetel anticovid distante do SUS

Para garantir a vacinação dos brasileiros que possuem comorbidades, o Ministério da Saúde se prepara para atender esse público-alvo, que é o próximo grupo prioritário na fila estabelecida pelo Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a covid-19, a partir do mês de maio.

"É importante que as pessoas pertencentes ao grupo das comorbidades estejam pré-cadastradas no Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações ou em alguma unidade de saúde do SUS. Porém, quem não tiver inscrição, pode apresentar, no momento da vacinação, um comprovante que demonstre pertencer a um destes grupos de risco, como exames, receitas, relatório médico ou prescrição médica", explica o Ministério da Saúde.

Outra orientação é que pessoas com comorbidades sejam convocadas para vacinação de acordo com a sua idade, dos mais velhos para os mais jovens. 

“O grupo prioritário das comorbidades é um dos maiores da ordem estabelecida pelo Plano de Vacinação do Ministério da Saúde. São mais de 17 milhões de pessoas que, muito em breve, serão vacinadas. Esse movimento será muito importante para proteger as pessoas que estão nesse grupo de risco e, também, para a ampliação da vacinação no Brasil”, comenta o secretário de Vigilância em Saúde, Arnaldo Medeiros.

Vacinas

O ministério afirma que tem realizado envios semanais de vacinas para todos os estados, de acordo com a disponibilidade de doses enviadas pelos laboratórios fornecedores dos imunizantes.

Desde o início da campanha de vacinação, no dia 18 de janeiro, já foram distribuídas mais de 53,9 milhões de doses de vacinas covid-19, alcançando aproximadamente 30,1 milhões de pessoas. Até o momento, 14 grupos prioritários foram contemplados, são eles:

Grupos prioritários que foram vacinados

- Trabalhadores de Saúde
- Idosos acima de 60 anos institucionalizados
- Pessoas acima de 18 anos com deficiência institucionalizadas
- Povos indígenas vivendo em terras indígenas com 18 anos ou mais atendidos pelo Subsistema de Atenção à Saúde Indígena
- Idosos de 90 anos e mais
- Idosos de 85 a 89 anos
- Idosos de 80 a 84 anos
- Idosos de 75 a 79 anos
- Povos e Comunidades Tradicionais Ribeirinha
- Povos e Comunidades Tradicionais Quilombola
- Idosos de 70 a 74 anos
- Idosos de 65 a 69 anos
- Idosos de 60 a 64 anos
- Forças de segurança e salvamento e Forças Armadas

Últimas