Brasil Ministro da Educação conversa com professores premiados

Ministro da Educação conversa com professores premiados

Weintraub se reuniu em São Paulo por mais de uma hora com os professores, com quem conversou e ouviu histórias dos projetos premiados

Ministério da Educação

Rafael Carvalho/Casa Civil/Agência Brasil

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, reuniu-se neste sábado (25) pela manhã com 30 docentes de todo o país que venceram o Prêmio Professores do Brasil do ano passado.

O encontro ocorreu em um hotel da zona oeste de São Paulo. O ministro reuniu-se por mais de uma hora com os professores, com quem conversou e ouviu histórias dos projetos premiados. Depois, ele tomou um café da manhã com os docentes.

“Vocês são exemplo. Com criatividade conseguiram mudar a realidade do país”, disse o ministro aos docentes.

Esses professores viagam ainda hoje para o Canadá, onde passarão nove dias. O prêmio é uma iniciativa do ministério, que pretende valorizar, reconhecer, divulgar e premiar o trabalho de professores de escolas públicas que contribuam para a melhoria dos processos de ensino e aprendizagem nas salas de aula.

Segundo o Ministério da Educação, a viagem é fruto de uma parceria do prêmio com o Colleges and Institutes Canadá, por meio qual os docentes vão trocar experiências e fazer uma imersão na educação e na cultura local. A viagem e todos os custos serão por conta da instituição canadense.

“É importante a valorização dos professores. Eles têm uma série de iniciativas que são fantásticas. É o professor na ponta fazendo toda a diferença na formação de nossas crianças, na próxima geração de brasileiros que vão conduzir o país para um outro patamar. Vir aqui, prestigiar, escutar as histórias, conhecer cada um deles, escutar também as opiniões, as posições, desmitificar um pouco essa desconstrução que houve a respeito do que a gente quer fazer, que não é verdade: a gente quer reforçar a educação no Brasil e valorizar o professor”, disse o ministro a jornalistas, após conversar com os docentes.

Diálogo

Durante o bate-papo com os professores, o ministro criticou os ataques que vem sofrendo à frente da pasta. “As pessoas me atacam da forma mais abjeta possível. Tentam me descontruir”, disse ele, aos docentes. Segundo ele, há uma narrativa que prejudica o país. “Quero valorizar o professor. Tem uma falsa narrativa que foi construída. Não consigo entender como, em algum momento, disseram que eu quero destruir o professor. Eu estou do lado de vocês, não sou contra vocês”.

“Nunca falei que vou acabar com as universidades. Isso é coisa da narrativa que foi construída. Não estou satisfeito com o que temos hoje. Vim aqui para mudar. Quero ver os critérios. Quero ver os números porque está faltando dinheiro na educação básica. Só quero transparência”, disse ele, enfatizando que o governo pretende investir mais na educação básica. “É mentira que queremos cobrar mensalidade [das universidades]”.

Mais tarde, a jornalistas, ele disse que essa falsa narrativa levou as pessoas a pensarem que ele cortaria 30% do orçamento das universidades. “Se você cortar 30% do orçamento desse hotel, esse hotel fecha. E qual foi a universidade que fechou? Nenhuma. O que houve foi um contingenciamento de 3,5%. Isso é uma abordagem falaciosa, mentirosa”.

Em determinado momento do diálogo com o ministro, alguns dos docentes presentes levantaram livros escritos pelo educador Paulo Freire. Em resposta, o ministro questionou o método Paulo Freire. “Será que ele é o melhor que tem no mundo? Que eu saiba, ele não foi copiado no mundo.”

A jornalistas, o ministro disse que não pretende acabar com Paulo Freire nas escolas. “Pode levantar Paulo Freire. Eu aceito opinião contraditória, desde que a pessoa não me agrida fisicamente.”

Uma das docentes premiadas, Ana Beatriz Maciel, de Natal, que dá aulas para o ensino fundamental, além de formar professores, disse que o protesto foi feito de forma silenciosa e respeitosa, para mostrar que o contingenciamento no ensino superior também afeta a base da educação. “Somos todos professores. Como vão se formar bons professores, se em algum lugar da pirâmide ela estará prejudicada?”, questionou.