Ministro da Justiça tenta minimizar sua ausência em discussões centrais do governo

Presença de Serraglio no Planalto se tornou menos frequente desde a Operação Carne Fraca

Nesta sexta-feira, Serraglio se reuniu com Temer para debater a crise da segurança pública no Rio de Janeiro

Nesta sexta-feira, Serraglio se reuniu com Temer para debater a crise da segurança pública no Rio de Janeiro

Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Afastado das reuniões do Palácio do Planalto sobre a manifestação de quarta-feira (24) e a decisão polêmica do governo de empregar as Forças Armadas na proteção de prédios na Esplanada dos Ministérios, o ministro da Justiça, Osmar Serraglio, reapareceu no Palácio, na manhã desta sexta-feira (26) para um encontro com o presidente Michel Temer.

O motivo da reunião foi o problema da crise da segurança pública no Rio de Janeiro. Em entrevista após o encontro, o ministro tentou minimizar a ausência das discussões centrais da Presidência. "Não sou um homem midiático", afirmou. "A imprensa é quem noticia que eu estava ausente."

Repórteres observaram, no entanto, que quem informou sobre as ausências do ministro nas agendas e reuniões de Temer ao longo da semana foi a assessoria de imprensa da Presidência da República. "Então, acho que devemos entrar numa sintonia", retrucou Serraglio.

Desde a deflagração da Operação Carne Fraca, da Polícia Federal, em março, a presença do ministro da Justiça, citado nas investigações, tornou-se menos frequente no Palácio. "Se quiserem, podem conferir minha agenda. Não saí um dia do ministério para almoçar. Trabalho todos os dias", disse.

A saia justa de Serraglio nesta sexta ocorreu numa entrevista coletiva que contou também com a presença dos ministros Sérgio Etchegoyen (Gabinete de Segurança Institucional), Raul Jungmann (Defesa) e Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo). Na entrevista, dada originalmente para falar de segurança no Rio, acabaram sendo abordados outros assuntos.