Ministro do STF defende lista tríplice obrigatória para escolha do PGR

Luís Roberto Barroso é favorável a obrigatoriedade de que o presidente siga as sugestões dos procuradores após eleição interna no Ministério Público

Barroso vê falha no desenho institucional do MP

Barroso vê falha no desenho institucional do MP

Divulgação/ TSE - 26.05.2020

O presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Luís Roberto Barroso, se posicionou nesta sexta-feira (29) a favor da lista tríplice obrigatória para escolha do procurador-geral da República.

Atualmente, a lista é elaborada pela ANPR (Associação Nacional dos Procuradores da República) após eleição interna no MP (Ministério Público) e encaminhada ao presidente da República, responsável pela nomeação. No entanto, o presidente não é obrigado a seguir as sugestões dos procuradores.

"Quanto à questão da lista tríplice, pessoalmente, acho que ela é importante, conveniente, e tem mais a ver com a independência do que propriamente com a democracia”, disse. 

Leia mais: Bolsonaro vê Aras 'forte candidato' em eventual 3ª vaga no STF

Barroso participou de uma videoconferência da ANPR para debater a evolução e os desafios dos Poderes sob a Constituição de 1988. Para ele, a possibilidade de nomeação do procurador-geral da República para outro cargo ou a recondução para a mesma função não são compatíveis com a independência do Ministério Publico. 

No entendimento do ministro, há uma falha no desenho institucional do MP permitindo possibilidade de recondução do PGR para um novo mandato de dois anos ou a indicação para outro cargo pelo mesmo presidente da República que o nomeou.

“Ambas as possibilidades são a meu ver incompatíveis com a independência, porque a recondução evidentemente pode gerar a tentação de agradar. Eu acho isso há muito tempo. Acho que quem tem que ser independente não pode ser reconduzido. Portanto, teria que ser um mandato único. Acho que dois anos é pouco. Mas, talvez a descoincidência com o mandato presidencial seja melhor. E não pode ser indicado por quem o nomeou procurador-geral da República para outro cargo, qualquer que seja, inclusive ministro Supremo, porque pode isso também pode ter reflexo sobre a independência”, afirmou o ministro sem citar um caso específico.