Ministro do STF nega mais um pedido para tirar Lula da prisão 

Defesa do ex-presidente alegava que supostas conversas entre procuradores confirmam que os procuradores atuaram ilegalmente para acusar o petista

Lula está preso desde abril do ano passado

Lula está preso desde abril do ano passado

Ueslei Marcelino/Reuters - 09.10.2017

O ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal),  negou nesta quinta-feira (29) mais um pedido feito pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para reconhecer a suspeição dos procuradores da Operação Lava Jato e determinar a soltura do ex-presidente.

No habeas corpus protocolado em 12 de agosto, a defesa de Lula alegou que supostas mensagens divulgadas pelo site The Intecept Brasil e por outros órgãos de imprensa confirmam que os procuradores atuaram ilegalmente para acusar Lula.

Defesa de Lula usa decisão a favor de Bendine para pedir anulações

Segundo Fachin, a soltura foi rejeitada pela Segunda Turma da Corte, em junho, e a questão deve ser decidida definitivamente, no mérito.

"Sendo assim, prima facie, sem prejuízo de ulterior reapreciação da matéria no julgamento final do presente habeas corpus, indefiro a liminar. Por tais razões, deixo de acolher o pedido de produção de provas.", decidiu.

Desde abril do ano passado, Lula cumpre provisoriamente, na Superintendência da Polícia Federal no Paraná, pena de oito anos, 10 meses e 20 dias por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex no Guarujá (SP).