Ministro: Não há militares na linha de frente porque MG não pediu 

Segundo o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, todo o contingente de Belo Horizonte e  Juiz de Fora foi posto à disposição do governo de MG

Militares não estão no comando porque MG não pediu, diz ministro

Helicóptero da Polícia Militar realiza buscas na área atingida pelo rompimento em Brumadinho

Helicóptero da Polícia Militar realiza buscas na área atingida pelo rompimento em Brumadinho

Divulgação PM-MG

O ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, justificou a ausência dos militares das Forças Armadas na linha de frente dos trabalhos de busca por vítimas em Brumadinho à ausência de uma solicitação do governo de Minas Gerais.

"Colocamos todo o nosso contingente de Belo Horizonte e de Juiz de Fora à disposição desde sexta-feira (25), mas o governo de Minas tem justificado que a área é restrita, sensível e que há pouco espaço para manobra", declarou ao jornal 'O Estado de S. Paulo' o ministro, ao ser questionado sobre o porquê de os soldados da Marinha, Exército e Aeronáutica não estarem participando da linha de frente dos trabalhos em Brumadinho.

Leia mais: Bombeiros ampliam pontos de buscas por vítimas em Brumadinho

O general, que sobrevoou e visitou a área atingida na manhã de sábado (26), ao lado do presidente Jair Bolsonaro, lembrou que o pessoal do Comando Militar do Leste já realizou este mesmo tipo de trabalho no acidente anterior, quando estourou a barragem em Mariana (MG), há três anos. O ministro reiterou que a sua equipe "está de prontidão, pronta para ser empregada a qualquer momento que for solicitada".

Leia mais: Bombeiros encontram segundo ônibus soterrado em Brumadinho

Segundo o general, na área, já estão em operação três helicópteros, um de cada Força, auxiliando nos trabalhos. Além disso, a Aeronáutica instalou uma torre de controle do espaço aéreo na região para ajudar no tráfego de aeronaves. Caso haja necessidade, comentou, a Defesa dispõe de mais meios aéreos e todos os demais necessários para serem empregados nos auxílios às vítimas e ao estado de Minas.

fonte: Estadão Conteudo