Novo Coronavírus

Brasil Ministro Ramos nega 'influência política' do Exército no governo

Ministro Ramos nega 'influência política' do Exército no governo

General Luiz Eduardo Ramos garantiu não ter qualquer contato, a não ser de amizade, com integrantes das Forças Armadas

  • Brasil | Do R7

Ramos diz ocupar cargo ministerial como "cidadão"

Ramos diz ocupar cargo ministerial como "cidadão"

Foto: Marcello Casal JrAgência Brasil

O ministro da Secretaria de Governo, General Luiz Eduardo Ramos, negou nesta terça-feira (26) a existência de qualquer "influência política ligada ao Exército" no governo do presidente Jair Bolsonaro.

De acordo com Ramos, ele ocupa o cargo como um "cidadão que foi integrante do alto comando do Exército".

"Não há nenhuma ligação de eu estar aqui representando o Exército. Eu represento pela minha responsabilidade em nome dos companheiros que ficaram, por eu ter sido um oficial general da ativa. É um peso que eu carrego para fazer o melhor de mim", afirmou o ministro durante coletiva no Planalto.

Leia mais: CGU investiga 74 mil sócios de empresas que receberam auxílio

Ramos ainda negou ter qualquer contato, a não ser de amizade, com integrantes do Exército. Ele ainda ressaltou sua trajetória até chegar no alto comando do governo federal, com passagens pela antiga Iugoslávia, Haiti e no resgate de mais de 2.000 brasileiros com o auxílio da força aérea israelense.

"Em várias oportunidades, eu sentei na mesa com vários elementos de guerra e negociei", revelou ao lembrar da operação em que atuou na antiga Iugoslávia em um momento de divisão.

Também nesta terça-feira, o general encaminhou uma carta aos "companheiros de farda" para rebater uma matéria publicada pelo jornal O Estado de S.Paulo. A publicação fala sobre suposta negociação de cargos com partidos políticos por parte dos ministros militares. O general rebate a acusação e critica parte da imprensa.

Veja a íntegra da carta escrita pelo General Ramos:

Prezados amigos, da Turma Marechal Juarez Távora

Em face da matéria publicada hoje no jornal O Estado de São Paulo, esclareço o seguinte:

Sou soldado, discípulo de Caxias! Não sou e nunca fui político!

Soldado não escolhe missão, ele a recebe e a cumpre! Fui convocado pelo Presidente da República para a missão de Ministro e, autorizado pelo Comandante do Exército, dei início a minha tarefa, que pretendo cumprir, como tenho feito há 46 anos, ao longo de minha carreira! Como em qualquer missão, o terreno e as forças adversas são condicionantes que temos que superar e assim o farei.

Os valores sob os quais fui forjado em nossa Academia Militar estão entranhados em minha alma e moldaram meu espírito. Jamais os trairei, como jamais trairei o nosso Exército Brasileiro!

A imprensa ideológica parcial é nociva e buscará a todo custo denegrir a imagem das Forças Armadas, como tem feito ao longo de nossa história. Não acreditem nas falácias diárias que tentam nos abater o moral. Não existe corrupção nesse governo!

A formação de uma Base Governamental é necessária para a aprovação dos inúmeros projetos clamados pela sociedade e é parte importante da minha missão, que será cumprida! Por mim não passa nada que não seja republicano, legal e ético! Por isso tenho sido alvo de constantes ataques.

A substituição de funcionários de governos anteriores (de partidos que não apoiam os projetos) por funcionários da Base (que apoiam os projetos) é um movimento natural e previsto. Nenhuma nomeação (sob minha responsabilidade) ocorre fora dos critérios técnicos (capacitação profissional) previstos em decreto presidencial e após intensa pesquisa da vida pregressa do indicado, sob aspectos morais, jurídicos e político-ideológicos, realizada pelo SINC (Sistema Integrado de Nomeações e Consultas).

Peço que o Exército confie em mim, como sempre confiou até a promoção ao último posto da carreira. Não decepcionarei meus companheiros de farda e não permitirei que maculem a imagem de nossa Força.

Repudio veementemente a parcela do jornalismo brasileiro que se esquece dos princípios básicos de se narrar um fato com imparcialidade e usam suas armas, covardemente, para ferirem o pundonor e a honra militar de forma inconsequente e leviana.

É pelo respeito que tenho ao meu Exército que estou divulgando essa mensagem para esclarecer a verdade! Acredito ser um homem de coragem e me orgulho disso, por isso não temo em ser atacado diuturnamente, isso faz parte do combate, somos profissionais da guerra, formados para isso, mas não vou aceitar que me usem para atacar minha amada instituição!

Senhores, estou aqui pelo Brasil! Achei que essa missão seria cumprida e eu pudesse retornar para minha farda ainda este ano, mas a guerra continua e não tem data para o armistício, e não posso abandonar minha posição. Meus irmãos de farda, preciso continuar, pelo Governo, pela Sociedade e pelo Brasil, e dar minha contribuição de cidadão como Ministro, mas manterei sempre acesa a chama de minha alma de soldado. Jurei dedicar-me inteiramente ao serviço da pátria e defender sua honra, integridade e instituições. Assim o farei!

Que Deus continue nos dando a coragem, a força e a fé!

Brasil acima de tudo!

(Gen. Ramos)

Últimas