Moradores de Anápolis afirmam não temer vinda de brasileiros da China

Militares controlam a chegada de alimentação e equipamentos que serão usados na quarentena

Coronavírus

Anápolis fica a 60 quilômetros de Goiânia

Anápolis fica a 60 quilômetros de Goiânia

EFE/EPA/YUAN ZHENG

O clima de alarmismo sobre os riscos de contaminação pelo coronavírus pode até se propagar com rapidez pelo mundo virtual, mas ainda não passou pelas portas das casas de Anápolis, município de 360 mil habitantes, a 60 quilômetros de Goiânia.

Nas mesas de bar, no trabalho, nas lojas e praças, o assunto é um só: a chegada dos brasileiros que sairão da cidade chinesa de Wuhan à Base Aérea de Anápolis. Toda a movimentação é acompanhada de perto pela população, mas sem alarde.

"Só virão brasileiros que não apresentam nenhum sintoma do vírus. Além disso, por razão de segurança, ficarão em quarentena", diz Wederson de Almeida, de 26 anos. As palavras são repetidas por muitos moradores ouvidos pelo jornal O Estado de S. Paulo. Em vez de tensão, o que se vê é um protocolo rígido em andamento.

Coronavírus infecta 24,5 mil pessoas em todo o mundo

Militares controlam a chegada de alimentação e equipamentos que serão usados na quarentena. Os repatriados ficarão em quartos isolados e terão de passar por exames diários. Fora da base militar, porém, nada muda na rotina da cidade. Cezarina de Jesus, de 52 anos, que vive em uma casa ao lado, diz que está pronta para ajudar no que for preciso. "Vamos recebê-los. São pessoas como nós, que precisam de apoio."