STF

Brasil Moraes inclui Bolsonaro no inquérito das fake news

Moraes inclui Bolsonaro no inquérito das fake news

Ministro do STF diz que declarações do presidente revelam manifestação, "em tese, criminosa e atentatória às instituições"

  • Brasil | Do R7, com Agência Estado

O ministro Alexandre de Moraes, que decidiu incluir o presidente em investigação

O ministro Alexandre de Moraes, que decidiu incluir o presidente em investigação

Rosinei Coutinho/SCO/STF (20/02/2020)

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, atendeu nesta quarta-feira (4) o pedido do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e determinou a instauração de investigação contra o presidente Jair Bolsonaro em razão das alegações sobre fraudes nas urnas eletrônicas no inquérito das fake news.

A solicitação foi feita após live realizada pelo chefe do Executivo na última quinta-feira (30), quando apresentou vídeos já desmentidos e declarações infundadas sobre supostas fraudes no sistema eletrônico de votação, além de promover ameaças às eleições de 2022.

“Não há dúvidas de que as condutas do Presidente da República insinuaram a prática de atos ilícitos por membros da Suprema Corte, utilizando-se do modus operandi de esquemas de divulgação em massa nas redes sociais, com o intuito de lesar ou expor a perigo de lesão a independência do Poder Judiciário, o Estado de Direito e a Democracia; revelando-se imprescindível a adoção de medidas que elucidem os fatos investigados, especialmente diante da existência de uma organização criminosa – identificada no presente Inquérito 4781 e no Inquérito 4874 – que, ilicitamente, contribuiu para a disseminação das notícias fraudulentas sobre as condutas dos Ministros do Supremo Tribunal Federal e contra o sistema de votação no Brasil”, afirmou Alexandre de Moraes no despacho publicado nesta quarta-feira.

A notícia-crime contra Bolsonaro foi apresentada ao STF na noite desta segunda-feira (2), pelo presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso, que atualmente é o alvo preferencial dos ataques do presidente da República, e solicitou a averiguação de “possível conduta criminosa” relacionada ao inquérito das fake news. Hoje, Bolsonaro voltou a atacar Barroso dizendo que ele presta “um desserviço à nação” e “coopta” outros ministros. A ação contra o chefe da Nação foi aprovada por unanimidade pelos ministros da corte eleitoral.

Na decisão, Alexandre de Moraes também determina que envolvidos na live do presidente da última quinta-feira prestem depoimentos como testemunhas, entre eles, está o ministro da Justiça, Anderson Torres. 

Últimas