Moro pede desculpas ao STF por 'constrangimentos' ao divulgar áudios de Lula 

Juiz da Lava Jato respondeu ao pedido de explicações enviado por ministro do Supremo

Moro pede desculpas ao STF por 'constrangimentos' ao divulgar áudios de Lula 

Moro enviou as informações a pedido de Zavascki após ministro determinar a suspensão das investigações da Operação Lava Jato

Moro enviou as informações a pedido de Zavascki após ministro determinar a suspensão das investigações da Operação Lava Jato

Lula Marques/Agência PT

O juiz federal Sérgio Moro admitiu nesta terça-feira (29) ao ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Teori Zavascki que se equivocou ao autorizar a divulgação de escutas telefônicas entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a presidente Dilam Rousseff.

Ao ministro, Moro também disse que não teve intenção de provocar polêmicas, conflitos ou constrangimentos.

— O levantamento do sigilo não teve por objetivo gerar fato político-partidário, polêmicas ou conflitos, algo estranho à função jurisdicional, mas, atendendo o requerimento do MPF, dar publicidade ao processo e especialmente a condutas relevantes do ponto de vista jurídico e criminal do investigado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva que podem eventualmente caracterizar obstrução à Justiça ou tentativas de obstrução à Justiça.

Queria que “enfiassem as panelas no c...”, afirma mulher do ex-presidente Lula em áudio vazado

Moro enviou as informações a pedido de Zavascki após a decisão do ministro que determinou a suspensão das investigações da Operação Lava Jato que envolvem Lula e envio dos processos ao Supremo.

Na quinta-feira (31), o STF decidirá se o juiz federal Sérgio Moro, responsável pela investigação da Operação Lava Jato na primeira instância da Justiça Federal, continuará na condução dos inquéritos contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Na semana passada, o ministro Teori atendeu a pedido da AGU (Advocacia-Geral da União) e suspendeu, com base em jurisprudência da Corte, a divulgação das interceptações envolvendo a Presidência da República e fixou prazo de dez dias para que Sérgio Moro preste informações sobre a divulgação dos áudios do diálogo entre a presidente Dilma Rousseff e Lula, tornadas públicas após decisão do juiz.

"Passivo", "Nervosinho", "Viagra" e "Manquinho". Veja quem é quem na planilha da Odebrecht