Brasil Moro pede férias à Justiça Federal para se preparar para ministério

Moro pede férias à Justiça Federal para se preparar para ministério

Magistrado aceitou na semana passada convite do presidente eleito Jair Bolsonaro para assumir Ministério da Justiça e Segurança Pública

Moro ministro da Justiça

Moro aceitou convite após visitar Bolsonaro no Rio

Moro aceitou convite após visitar Bolsonaro no Rio

WILTON JUNIOR/ESTADÃO CONTEÚDO - 1º.11.2018

O juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Criminal de Curitiba (PR), entrou com pedido de férias nesta segunda-feira (5) à Justiça Federal para se afastar de "controvérsias desnecessárias" e poder se preparar para o cargo de ministro da Justiça e Segurança Pública, que exercerá a partir de 1º de janeiro.

"Reputo salutar afastar-me da jurisdição dos casos judiciais relacionados à operação Lava Jato, com o que evitar-se-á controvérsias desnecessárias", escreve Moro no ofício encaminhado hoje ao Corregedor Regional da Justiça Federal da 4ª Região, Ricardo Teixeira do Valle Pereira.

O juiz federal de primeira instância não irá mais conduzir os processos da Lava Jato no Paraná. A responsabilidade agora será da juíza substituta Gabriela Hardt, que fica na 13ª Vara de Curitiba (PR) até que seja ocupada a vaga de Moro em processo interno da 4ª Região da Justiça Federal.

Leia também: as razões para Moro aceitar ser ministro da Justiça

No ofício, o futuro ministro da Justiça pede para aproveitar férias vencidas em 2013. Ele fica afastado do cargo até 21 de novembro, quando um novo pedido de férias será feito até o dia 19 de dezembro.

"Pretendo tirar a partir da presente data as várias férias que acumulei durante meu período de magistrado em decorrência das necessidades do serviço. As férias também permitirão que inicie as preparações para a transição do governo e para os planos para o Ministério", escreve Moro.

Moro ainda escreve que aceitou o cargo de ministro "com certo pesar" pois terá que se afastar da magistratura. Ele também informa que vai se exonerar do cargo de juiz federal "no início de janeiro, logo antes da posse no novo cargo".