Brasil Mourão diz que atrito com Salles já foi superado: 'Segue o baile'

Mourão diz que atrito com Salles já foi superado: 'Segue o baile'

Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, conseguiu reverter os bloqueios de recursos do orçamento federal ao Ibama e ao ICMBio 

  • Brasil | Do R7, com Reuters

Mourão quer dinheiro dos Brics na Amazônia

Mourão quer dinheiro dos Brics na Amazônia

Adriano Machado/Reuters - 15.07.2020

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, que preside o Conselho da Amazônia Legal, afirmou nesta segunda-feira (31) que o atrito com o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, no fim da última semana, já foi superado. "Não ficou bom, era melhor a gente ter conversado que a gente não levaria o estresse ao ponto que foi levado. Segue o baile, tudo normal."

Salles anunciou na sexta-feira (28) que, por causa do corte de verbas do orçamento federal ao Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) e ao ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade), a pasta suspendeu todas as operações de combate ao desmatamento ilegal na Amazônia e às queimadas no Pantanal.

Horas depois, após Salles negociar com os ministros Braga Netto (Casa Civil) e Luis Eduardo Ramos (Secretaria de Governo), o Ministério do Meio Ambiente foi informado que o governo federal recuou do bloqueio da verba.

Investimentos à Amazônia

O vice, que participou nesta manhã de um fórum organizado pela BandNews TV, comentou também que o Brasil precisa atrair investimentos dos países dos Brics, especialmente China, Rússia e Índia, para desenvolver a bioeconomia na Amazônia, afirmou nesta segunda-feira (31) o vice-presidente Hamilton Mourão em um fórum sobre o tema.

Em seu discurso, Mourão defendeu que não é suficiente apenas combater o desmatamento e outros crimes na região, mas que a Amazônia precisa ter um novo modelo de desenvolvimento, baseado em pesquisa, e que pode ser o novo polo da bioeconomia no mundo, mas para isso precisa de investimentos.

"A grande questão é atrairmos nossos parceiros dos Brics, que têm recursos, para investirmos na Amazônia. É importante que a gente atraia o capital chinês, russo, indiano e até sul-africano para esse investimento", defendeu.

O vice-presidente afirmou ainda que o Brasil está comprometido com a sustentabilidade "porque é um país sustentável".

"Não somos um país predador", declarou.

Provimentos a militares

Em conversa com jornalistas, Mourão comentou que não considera ético militares acumularem vencimentos pagos pela reserva e por cargo no governo. 

Nesta segundo, o jornal O Estado de S.Paulo publicou que o Ministério da Defesa conseguiu aval para que integrantes das Forças Armadas com cargo no governo acumulem remunerações acima do teto do funcionalismo – R$ 39,3 mil –, mas a equipe de Paulo Guedes tenta barrar.

“Tem dois aspectos aí: já tem jurisprudência a respeito, que os proventos de aposentadoria não acumulariam com a questão de abate teto", disse Mourão. "Agora, número dois, tem a questão ética e moral. Eu claramente sou contra isso aí no momento que nós estamos vivendo. Se estivéssemos numa situação normal, o país com recursos sobrando, tudo bem, mas não é o que está acontecendo.”

Últimas