Tiroteio em Suzano
Brasil Mourão lamenta massacre em Suzano e culpa games violentos

Mourão lamenta massacre em Suzano e culpa games violentos

'Essas coisas não aconteciam no Brasil, ocorriam em outros países', disse o vice-presidente da República ao comentar a tragédia ocorrida na Grande SP

Mourão lamenta massacre em Suzano e culpa videogames violentos

Local onde ocorreu massacre em escola de Suzano (SP)

Local onde ocorreu massacre em escola de Suzano (SP)

Bruna Nascimento/Myphoto Press/Estadão Conteúdo

O vice-presidente, Hamilton Mourão, lamentou nesta quarta-feira (13) o massacre na Escola Raul Brasil, em Suzano, na Grande São Paulo, e disse que o caso se deve à influência de videogames violentos e à falta de atividades educativas para crianças e adolescentes.

“Hoje a gente vê essa garotada viciada em videogames e videogames violentos. Só isso que fazem. Quando eu era criança e adolescente, jogava bola, soltava pipa, jogava bola de gude, hoje não vemos mais essas coisas. É isso que temos que estar preocupados”, disse.

Leia também: Polícia identifica jovens de 25 e 17 anos como atiradores em Suzano

Ao lembrar o massacre na Escola Tasso da Silveira, em Realengo, no Rio de Janeiro, onde um ex-aluno matou 12 pessoas, em 2011, disse que “tem que chegar à conclusão por que isso está acontecendo. Essas coisas não aconteciam no Brasil, ocorriam em outros países”.

O vice-presidente contou da sua experiência de adolescência, quando morou nos Estados Unidos, e estudava das 9h às 15h, como é o padrão norte-americano de ensino. “Hoje, pai e mãe são obrigados a trabalhar pelas exigências da sociedade moderna, nos faltam escolas de tempo integral, onde a criança fique mais tempo”, disse Mourão.

A flexibilização da posse de arma de fogo, para o vice-presidente, “não tem nada a ver” com o caso. “Vai dizer que a arma que os caras tinham lá era legal?”, disse.

Presidente do Supremo

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, também lamentou as mortes ocorridas durante o ataque à escola na cidade de Suzano. "Não podemos aceitar que o ódio entre em nossa sociedade", disse Toffoli, em mensagem no início da sessão plenária do Supremo na tarde desta quarta-feira (13).

"É com profundo pesar e tristeza que recebemos a notícia de tragédia em escola pública na cidade de Suzano, em São Paulo, que tirou a vida e feriu estudantes, professores e funcionários. Em nome da Corte, manifestamos nossos sentimentos de pesar e solidariedade a famílias e amigos das vítimas e a toda a sociedade, que também é vítima nesse tipo de tragédia", disse Dias Toffoli.

"Violências como essa não fazem parte da nossa cultura. A juventude traduz futuro e esperança. Não podemos aceitar que o ódio entre em nossa sociedade", complementou Toffoli.

O ataque a tiros na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, ocorreu na manhã desta quarta-feira (13) e deixou até o momento dez mortos, incluindo os dois atiradores, que se suicidaram, e dez feridos. Os autores do massacre tinham 17 e 25 anos.