Brasil Mourão lamenta morte de Maguito: 'Liderança nacional expressiva"

Mourão lamenta morte de Maguito: 'Liderança nacional expressiva"

Vice-presidente afirmou que conhecia o prefeito de Goiânia (GO), e contou que ele foi soldado da guarda presidencial nos anos 60

  • Brasil | Daniela Matos, da TV Record em Brasília

Mourão rebate ameaça de presidente da França

Mourão rebate ameaça de presidente da França

Antonio Lacerda/EFE - 15.07.2020

O vice-presidente Hamilton Mourão lamentou nesta quarta-feira (13) a morte do prefeito de Goiânia (GO), Maguito Vilela, morto por covid-19.

“Estava dois meses ai, até mais, nessa luta. Conheci Maguito, foi soldado do Batalhão da guarda presidencial no final da década de 60. Uma liderança expressiva do nosso estado de Goiás e também de nível nacional", contou Mourão.  "Lamento profundamente o falecimento dele”, acrescentou.

Maguito Vilela, de 71 anos, estava internado no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, desde o fim de outubro.

Mourão também voltou a defender o uso da cloroquina contra a covid-19. “Eu fiquei bom com o tratamento precoce. Se eu ficasse em casa esperando começar a tossir ou ficar com o pulmão comprometido, eu tinha ido pro barro. Não tava aqui. Vocês estavam rezando meu velório", brincou.

Soja e a França

O vice-presidente rebateu na conversa desta quarta com os jornalistas a ameaça feita ontem pelo presidente francês, Emmanuel Macron, de boicotar a soja brasileira para não ser conivente com o desmatamento da Amazônia. 

“Ele desconhece a produção de soja do Brasil. Nossa produção é feita no cerrado do país. A produção agrícola da Amazônia é ínfima", defendeu Mourão, que disse ainda que a França não tem chance de concorrer com o Brasil no setor agrícola. "A nossa capacidade de produção é imbatível. Nossa competição nesse ramo está muito acima dos demais concorrentes."

Na análise do vice-presidente, Macron externou em sua fala terça-feira (12) "interesses protecionistas dos agricultores franceses". "Faz parte do jogo político", disse.

Últimas