Operação Lava Jato
Brasil MPF diz que negociações para delação com a Odebrecht não foram iniciadas

MPF diz que negociações para delação com a Odebrecht não foram iniciadas

Empresa anunciou havia decidido fazer uma "colaboração definitiva" com a Lava Jato

MPF diz que negociações para delação com a Odebrecht não foram iniciadas

MPF disse que a vontade da companhia de celebrar acordos de delação e leniência não tem consequência jurídica

MPF disse que a vontade da companhia de celebrar acordos de delação e leniência não tem consequência jurídica

J.F.Diorio/Estadão Conteúdo

O MPF (Ministério Público Federal) afirmou em nota nesta quarta-feira (23) que "não existe sequer negociação iniciada" para um eventual acordo de delação premiada com executivos da Odebrecht e de leniência com a empreiteira.

A empresa disse nesta terça-feira (22), que havia decidido fazer uma "colaboração definitiva" com a Operação Lava Jato.

Na nota, o MPF disse também que a simples manifestação da vontade da companhia de celebrar acordos de delação e leniência por meio da imprensa não tem consequência jurídica, fere o sigilo exigido em lei para a realização do acordo e "não tem o condão de descaracterizar a contínua ação do Grupo Odebrecht em obstruir as investigações em andamento".

O que a delação da Odebrecht pode esclarecer?

"Passivo", "Nervosinho", "Viagra" e "Manquinho". Veja quem é quem na planilha da Odebrecht

— O Ministério Público Federal mantém o entendimento de que acordos de leniência e de colaboração premiada somente são possíveis com o completo desvelamento, por parte dos envolvidos, dos fatos criminosos que já são investigados, além da revelação plena de outras ilegalidades que tenham cometido e que ainda não sejam de conhecimento das autoridades, e da reparação mais ampla possível de todas essas ilegalidades.

Na noite de terça-feira a Odebrecht disse em nota que havia decidido "por uma colaboração definitiva com as investigações da operação Lava Jato".

De acordo com o advogado da empreiteira, o acordo incluiria uma "cláusula de abrangência de seus funcionários e executivos que queiram e que tenham com que colaborar com as investigações".

O ex-presidente da empreiteira, Marcelo Odebrecht, já foi condenado a 19 anos e 4 meses de prisão em ação penal da Lava Jato por corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa.

Acompanhe todo o conteúdo da Rede Record no R7 Play