Brasil Na Ásia, Bolsonaro pode estreitar laços e reduzir desconfiança

Na Ásia, Bolsonaro pode estreitar laços e reduzir desconfiança

Opinião é de especialistas ouvidos pelo R7; China e países árabes estão entre principais parceiros e já foram envolvidos em polêmicas do presidente

  • Brasil | Márcio Pinho, do R7

O presidente Jair Bolsonaro, que faz viagem à Ásia

O presidente Jair Bolsonaro, que faz viagem à Ásia

RENATO COSTA /FRAMEPHOTO/ESTADÃO CONTEÚDO

A viagem que o presidente Jair Bolsonaro fará pela Ásia a partir deste sábado (19) é uma oportunidade para o país estreitar laços com importantes parceiros comerciais e divulgar possibilidades de investimentos em infraestrutura e privatizações, segundo especialistas em relações internacionais e ciência política ouvidos pelo R7.

Leia também: Presidente Bolsonaro viaja para o Japão, China e países árabes

É também uma oportunidade para melhorar o reduzir a desconfiança e a tensão com esses países após declarações polêmicas do presidente. No ano passado, ele afirmou que a China estava comprando o Brasil. Após assumir a Presidência, Bolsonaro gerou polêmica ao anunciar mudança de embaixada brasileira em Israel para Jerusalém, o que provocou críticas da comunidade árabe e reações do governo palestino.

Segundo Rodrigo Fernando Gallo, especialista em política e relações internacionais e professor do Instituto Mauá de Tecnologia, a viagem concentra países fundamentais para a economia brasileira e com quem o relacionamento deve ser o melhor possível. “Missões diplomáticas deste porte são importantes para mostrar as prioridades do Brasil em aspectos econômicos e comerciais", diz.

A China, o segundo destino da viagem após o Japão, é responsável por mais 27% das exportações brasileiras, segundo o Ministério da Economia, com gasto de mais de US$ 66,6 bilhões em 2018. Fica bem a frente dos Estados Unidos, o segundo colocado, responsável por 13% das exportações.

Já os países árabes, que fecharão a viagem de Bolsonaro, também se destacam entre os principais compradores - Arábia Saudita e Emirados Árabes estão entre os cinco que mais importam o frango brasileiro.

A ideia de transferir a embaixada para Jerusalém colocou em risco esse mercado, segundo Rodrigo Gallo. “A mudança foi suspensa, pois o próprio governo brasileiro percebeu que se tratava de um assunto delicado. Agora é hora de se reaproximar dos países árabes e reformar os laços de amizade com esses Estados”, afirma.

Leia mais: China faz alerta a Bolsonaro e diz que 'custo' pode ser grande

O especialista em relações internacionais opina que a aproximação demonstrada pelo presidente Bolsonaro com o mandatário americano Donald Trump, que trava uma guerra comercial com a China, não deve afetar a relação diplomática entre Brasil e China já que o Brasil é grande dependente do país asiático. Pelo contrário, a viagem é ainda uma oportunidade para o Brasil mostrar que passa por reestruturação e que pode receber novos investimentos.

Mas, para isso, deve-se tomar cuidado com novas gafes, segundo o professor, e atentar especialmente para a formalidade exigida em eventos e rituais em países como China e Japão.

Contenção de danos

Para Márcio Juliboni, professor de Comunicação e Ciência Política da Universidade Presbiteriana Mackenzie, não é possível “zerar” em uma visita a indisposição já criada pelas declarações do presidente. Mas sim fazer uma “contenção de danos” e iniciar uma “relação mais produtiva”.

“O que se espera objetivamente é que Bolsonaro seja capaz de levar uma posição mais moderada, mais ponderada, menos extreminsta, menos contundente, tanto em relação à China como em relação aos países do Oriente Médio”.

Nesse sentido, ele diz acreditar que, apesar da desconfiança existente em relação ao Brasil, a comitiva pode por exemplo divulgar o programa de privatizações do governo brasileiro.

Juliboni opina que o presidente terá que conviver com alguns pontos que podem levantar polêmicas durante a viagem. Um deles é a questão ideológica, uma vez que a China viveu sob regime comunista por décadas e ainda hoje é governada por um partido autodenominado comunista. Um grupo de deputados do PSL, que visitou o país em janeiro, antes mesmo de assumirem seus cargos no Congresso, foi duramente criticado pela base de Bolsonaro, que está em campo ideológico aposto ao comunismo.

Juliboni afirma que Bolsonaro, dependendo de como a viagem evoluir, poderá ficar em saia justa não apenas em relação ao seu eleitorado como também em relação à China, por conta da aproximação com os EUA. Nesse sentido, postura de mais diálogo e menos declarações polêmicas é ainda mais importante. “É bom que Bolsonaro vá com uma certa disposição ao diálogo, de esclarecer declarações e estreitar laços”, diz.

Outra possível saia justa diz respeito ao encontro que Bolsonaro terá com o príncipe Mohammed bin Salman, herdeiro da Arábia Saudita, que reconheceu recentemente responsabilidade na morte de um jornalista no consultado saudita na Turquia.

“Qualquer declaração um pouco mais polêmica, ou qualquer menção ao príncipe saudita que possa ser entendida como positiva, sem que haja minimamente uma reprovação a isso, pode gerar uma imagem ruim de que o Brasil defende uma posição autoritária e contra os direitos humanos”, diz.

Últimas