'Não é no canetaço', diz Bolsonaro sobre juros do cheque especial

Presidente acrescentou que, a pedido do BC, instituições financeiras deverão informar se baixaram mesmo as taxas cobradas dos correntistas

Juros não podem passar de 8% ao mês

Juros não podem passar de 8% ao mês

Marcos Corrêa/PR

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta sexta-feira (29) que mudanças sobre juros do cheque especial não foram feitas "no canetaço" ou sem diálogo. Ele acrescentou que, a pedido do BC (Banco Central), as instituições financeiras deverão informar se baixaram mesmo as taxas cobradas dos correntistas.

Por que o juro do cartão de crédito está alto, se inflação vem caindo?

"Acho que foi bom o anúncio do juros, né?! 8% ao mês", questionou. "Não é no canetaço, aí. Decidido pela 'CVM'. O Brasil caminha nessa direção de os números passarem a ser compatíveis com a taxa básica de juros e com aquilo que estamos fazendo na economia", disse Bolsonaro. O órgão responsável pela alteração nos juros do cheque especial, na verdade, é o CMN (Conselho Monetário Nacional).

O governo decidiu limitar a 8% ao mês os juros cobrados pelos bancos no cheque especial, mas permitiu que as instituições cobrem uma tarifa mensal para oferecer o produto a seus clientes. A medida foi aprovada durante reunião do Conselho Monetário Nacional — composto pelo ministro da Economia (Paulo Guedes), pelo presidente do Banco Central (Roberto Campos Neto) e pelo secretário especial da Fazenda (Waldery Rodrigues) — e entra em vigor em 6 de janeiro de 2020.