Óleo no Nordeste

Brasil 'Não havia ninguém com câncer por aqui, hoje tem quatro ou cinco'

'Não havia ninguém com câncer por aqui, hoje tem quatro ou cinco'

Jaílma dos Santos, moradora de Garapuá, na Bahia, suspeita que casos podem ter relação com limpeza do óleo nas praias, em 2019

  • Brasil | Marcos Rogério Lopes, do R7

Primeiras manchas de óleo da Bahia foram vistas em setembro de 2019

Primeiras manchas de óleo da Bahia foram vistas em setembro de 2019

Reprodução

A presidente da Amaga (Associação Moradores e Amigos de Garapuá), Jaílma Rafael dos Santos, conta que após dois anos do início do pesadelo do óleo que invadiu praias de 11 estados do país, sua comunidade, um pequeno distrito de Cairu (BA) com cerca de mil habitantes, ainda sofre com aquele período.

Estúdio R7: Óleo sem rastros: em busca de respostas

Não só pela lembrança, que deixou em pânico parte do grupo reconhecido como quilombola em 2020, ou pelas dificuldades econômicas, afinal a maior parte dos moradores vive da pesca e do turismo. Um dos efeitos mais preocupantes está na saúde da população, que teve contato com as manchas de petróleo em 2019. 

"Eu lembro bem do dia, umas 6 da tarde. Eu estava em casa e senti um cheiro forte, insuportável, vindo do mar. Naquele dia chegou a maior quantidade [do óleo] em Garapuá, diz Jaílma. 

Leia também: Manchas de óleo: três suspeitos, duas hipóteses e zero certeza

Leia também: Dois anos depois, manchas de óleo continuam cercadas por dúvidas

Filha e irmã de pescadores, ela lembra que em 22 de setembro de 2019 moradores notaram bolotas escuras na água do mar. "Chegou de madrugada em Morro de São Paulo e de manhã cedo bateu no coral aqui de Garapuá. As pessoas viram aquilo e ficaram desesperadas, pensaram que podiam tirar com a mão mesmo para não atingir o mangue e grudar na pedra onde ficam os corais", recorda. 

Com o tempo e a vinda de mais petróleo, a prefeitura de Cairu e voluntários que decidiram ajudar financeiramente a comunidade distribuíram EPIs (equipamentos de proteção individual), além de baldes, sacos e caixas adequados para acondicionar o que ia sendo retirado.

"No começo, muita gente retirou sozinha, sem usar equipamento nenhum, mas foram chegando mais e mais pelotas e precisamos de ajuda."

A presidente da associação conta que, em um único dia, duas carretas saíram cheias do material tóxico.

A desinformação foi um problema constante, relata Jaílma. Quando a limpeza estava organizada em todo o distrito, souberam pelo Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente) que pisar no manguezal poderia empurrar o petróleo para baixo e ter o efeito adverso de salvar o ecossistema. 

Jaílma afirma que muitos moradores apresentaram reações alérgicas, mesmo os que usavam equipamentos de proteção. "O óleo chapiscava na pele ou o balde acabava tocando na pessoa. Lembro que uma senhora daqui ficou com a perna toda vermelha, bastante irritada. Alguns sentiram enjoo, outros desmaiaram porque o odor era bem forte."

Ela não sabe dizer se alguém desenvolveu doenças por causa daquele período, mas tem suas suspeitas. "Recentemente, tenho visto alguns casos de pessoas se tratando de câncer na comunidade e me pergunto se tem a ver com o óleo", comentou. 

"A gente não ouvia falar de pessoas com câncer e hoje já são quatro ou cinco em Garapuá."

Auxílios e tecnologia

Jaílma não é médica, mas conhece bem todas as pessoas do local onde mora. Foi por defender as causas da comunidade desde 2006 que ela, hoje com 36 anos, tornou-se presidente da Amaga, às voltas com o pedido de autonomia em relação a Cairu, brigas por posse de terras e problemas tecnológicos que não estavam nos planos.

No drama das manchas de óleo, a briga da entidade, com 200 associados, foi obter o auxílio do governo federal de dois salários mínimos às vítimas do incidente. Batalha que ela admite que foi perdida.

"Aqui, não sei de ninguém que recebeu a ajuda prometida para as vítimas do vazamento."

Ela reclama que para receber esses valores da União foi estabelecida a abrigatoriedade de o profissional apresentar um documento comprovando a atividade, o RGP (Registro Geral da Atividade Pesqueira). E isso, diz, inviabilizou a maioria dos pedidos.

"Desde 2012 o governo cancelou a emissão do RGP. Vários pescadores mais velhos não tinham a documentação, enquanto os jovens que já trabalhavam com a pesca não tiveram a chance de fazer o registro."

Os pescadores mal haviam se livrado das manchas de óleo e veio a covid-19, parando de vez o país e desmontando qualquer chance de retomada do turismo, atividade principal da região que vive basicamente da venda de pescados, lambretas (moluscos) e polvos a Salvador e a outras cidades baianas.

Garapuá, aliás, proibiu a entrada de turistas em 2020 e a comunidade usava máscaras para se proteger, garante Jaílma. "E isso tudo deu muita briga por aqui", comenta.

"Nossa região sofreu muito, tivemos problemas alimentares sérios de trabalhadores que não estavam conseguindo vender seus pescados e não tinham dinheiro para nada."

Jaílma recorda ter visto pescados e principalmente polvos totalmente cobertos por placas escuras de óleo. "De início, todo mundo ficou sem saber o que fazer. Ninguém queria comer por medo, mas algumas pessoas os consumiram mesmo assim, pois não tinham alternativa."

Mas comer o peixe mesmo sob risco de contaminação resolvia só parte do problema, afirma a moradora de Garapuá. "Comprar arroz e feijão nas vendas locais ou em Cairu é muito caro, então, para ter um preço mais acessível, precisamos ir até Valença [numa viagem que dura cerca de duas horas] e esse deslocamento tem um custo que não conseguíamos pagar."

O auxílio emergencial dado pelo governo federal na pandemia ajudou, mas conseguir se cadastrar para recebê-lo foi outra saga.

"O meio tecnológico para conseguir o benefício foi uma burocracia grande demais para o pescador humilde, muitos não sabem usar nem o WhatsApp, não têm Facebook, instagram, nada disso, imagine baixar o aplicativo da Caixa Econômica para conseguir o auxíilio. Alguns nem celular tinham para isso."

Foi não só um grande transtorno, mas causou perdas também. "Teve gente que acabou ficando sem o auxíio."

Jaílma Rafael dos Santos diz que após tantas provações a situação começa a se normalizar na região. "Graças a Deus não tivemos nenhuma morte por covid e já há algum tempo estamos sem casos. Desde fevereiro começaram a aparecer turistas e bem aos pouquinhos as coisas vão voltando ao normal."

Últimas