Brasil 'Não vamos bater palmas para ações terroristas', afirma general Heleno

'Não vamos bater palmas para ações terroristas', afirma general Heleno

Em entrevista ao Jornal da Record, chefe do GSI defendeu posição do governo Bolsonaro em meio à crise no Oriente Médio

chefe do GSI

"Bolsonaro sempre foi contra o terrorismo", diz Heleno

"Bolsonaro sempre foi contra o terrorismo", diz Heleno

Reprodução/Record TV

O ministro-chefe do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), general Augusto Heleno, defendeu nesta quinta-feira (9), em entrevista exclusiva ao Jornal da Record, a posição do presidente Jair Bolsonaro em relação à crise no Oriente Médio e afirmou que "o Brasil nunca foi neutro em relação ao terrorismo".

"O presidente Bolsonaro sempre foi radicalmente contra o terrorismo. Isso está dentro do que ele pensa. Tenho a impressão de que os reflexos já foram neutralizados, se é que poderiam acontecer", analisou o chefe do GSI.

Clique aqui para assistir à entrevista completa 

Para Heleno, a posição do governo Bolsonaro não está relacionada com o apoio aos Estados Unidos. "Foi uma nota de combate ao terrorismo, que é um dos preceitos da Constituição brasileira", garantiu o general.

Questionado sobre a possibilidade de enfraquecer a relação comercial com o Irã após o posicionamento de Bolsonaro, Heleno destacou que a balança comercial entre os dois países é "muito positiva'.

"Temos uma balança comercial muito positiva com o Irã. Não queremos perder a oportunidade de manter essa relação comercial, mas não vamos bater palmas para ações terroristas de nenhum dos nossos parceiros", afirmou.

Davos

Ao comentar a decisão de Bolsonaro de não comparecer ao Fórum Econômico Mundial, a ser realizado na cidade de Davos, na Suíça, Heleno disse que a segurança não foi o principal critério utilizado para o cancelamento da viagem.

Veja também: Guedes representará governo em Fórum Econômico

"Risco de segurança do presidente sempre tem. O presidente é sempre um alvo altamente compensador, principalmente o presidente Bolsonaro. Qualquer coisa que aconteça com Bolsonaro que o afaste do cargo mais relevante do país, muda totalmente a política nacional, a econômica nacional”, avaliou o chefe da GSI.

"Ele é um alvo altamente compensador, principalmente para uma parcela bem pequena da população que, infelizmente, até torça por isso”, completou Heleno, chefe do órgão responsável pela segurança do presidente.