No AM, CPI apura participação de 2ª empresa na compra de respiradores

Para parlamentares, importadora de vinhos que vendeu 28 respiradores ao governo do Amazonas pode ter sido apenas uma intermediária

Respiradores comprados pelo governo do Amazonas

Respiradores comprados pelo governo do Amazonas

Reprodução/Record TV

No Amazonas, a Comissão Parlamentar de Inquérito que investiga supostos desvios de dinheiro na área da saúde acredita no envolvimento de uma segunda empresa na compra de respiradores realizada pelo governo do estado.

Para os parlamentares, a importadora de vinhos que vendeu 28 respiradores ao governo do Amazonas pode ter sido apenas uma intermediária. O principal beneficiário seria a empresa Sonoar.

As investigações apontam que assim que a loja de vinhos recebeu o pagamento de quase R$ 3 milhões, transferiu R$ 2,4 milhões à conta da Sonoar.

Duas representantes da Sonoar foram presas nesta terça-feira na operação da Polícia Federal que investiga o caso.

Um documento obtido pela CPI aponta que em dezembro de 2019, Renata Mansur repassou a sua participação na empresa para Luiz Avelino jr. Ele é médico e marido de Daniela Assayag, secretária de comunicação do governo Wilson Lima (PSC).

Daniela Assayag confirmou à imprensa que o marido tinha um contrato de intenção de compra, mas teria desistido do negócio.

As novas informações obtidas pelos deputados serão encaminhadas à Polícia Federal, que iniciou a fase de análise das provas apreendidas e dos depoimento das oito pessoas presas durante a operação sangria. O foco da CPI, a partir de agora, serão outros contratos firmados pelo governo do estado durante a pandemia de covid-19.