OAB cobra Lava Jato por 'esconder' nomes de Maia e Alcolumbre

Pedido também envolve denúncia de que agentes do FBI teriam atuado em investigações realizadas no território nacional

Alcolumbre e Maia tiverem os nomes "camuflados"  em documento

Alcolumbre e Maia tiverem os nomes "camuflados" em documento

Adriano Machado/Reuters - 03.02.2020

A OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) apresentou nesta quarta-feira (8) um pedido para que o CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público) preste esclarecimentos a respeito de atitudes recentes tomadas pela força-tarefa da Lava Jato.

Entre os fatos citados aprece a possível “camuflagem” do nome dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AL), em uma denúncia apresentada pelo grupo. Por terem foro privilegiado devido ao cargo que ocupam, os parlamentares só podem ser investigados pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

Leia mais: Procuradores pedem demissão após divergirem de Aras

“Há reportagens que mencionam suspeitas, por parte da própria Procuradoria Geral da República – PGR, a respeito de investigações camufladas de autoridades pela força-tarefa cujo foro de competência, para apuração de eventuais irregularidades praticadas, não seria da 1ª instância do Poder Judiciário”, destaca o pedido da OAB.

Também figura na lista de esclarecimentos a denúncia de que agentes do FBI, a Polícia Federal dos Estados Unidos, teriam atuado em investigações realizadas no território nacional, e o sistema de gravações telefônicas questionado pelo procurador-geral da República.

O grupo de advogados quer "promover a responsabilização cabível e necessária aos envolvidos, se constatada a efetiva concretização dos fatos reportados". A força-tarefa da operação conta com equipes localizadas em Curitiba, Rio de Janeiro e São Paulo.

"Os fatos mencionados e que estão vindo à tona são graves, merecendo pronta e imediata atuação deste Conselho, no sentido de promover as investigações republicanamente necessárias", diz o documento protocolado.