Oposição deixa plenário da Câmara sob gritos de 'Fora Temer'

Partidos contrários ao governo dizem que medidas são decretação do estado de exceção no País

Oposição deixa plenário da Câmara sob gritos de 'Fora Temer'

Medidas do governo para conter manifestações foram consideradas exageradas por parlamentares da oposição

Medidas do governo para conter manifestações foram consideradas exageradas por parlamentares da oposição

Alex Ferreira/24.04.2017/Câmara dos Deputados

Aos gritos de "Fora Temer", a oposição se retirou do plenário da Câmara dos Deputados em protesto contra o decreto do governo autorizando o emprego das Forças Armadas para Garantia da Lei e da Ordem. PT, PDT, PSB, Rede, PSOL e PCdoB alegam que a medida representa na prática a decretação do estado de exceção no País. A líder do PCdoB, Alice Portugal (BA) diz que atitudes remetem à ditadura. 

— A ditadura militar começou assim, de forma sutil.

Os oposicionistas disseram que o decreto é "inaceitável" e que não havia sentido participar da sessão. O grupo fez críticas ao argumento do governo de que o decreto visa a garantir a segurança e a ordem. O deputado André Figueiredo (PDT-CE) disse que a manifestação não justifica medidas tomadas. 

— Isso não justifica o estado de exceção decretado. 

Leia mais notícias sobre Brasil e Política

Os deputados disseram que o "estado de exceção" não podia ser minimizado e a Câmara não poderia funcionar nestas condições. O líder do PT, Carlos Zarattini (SP), afirma que ação do governo foi extrema. 

— O último passo (do governo) foi decretar a Garantia da Lei e da Ordem e colocar o Exército na rua, que é uma medida extrema. Não podemos aceitar. 

Com a saída da oposição, os governistas estão aproveitando para votar Medidas Provisórias sem a obstrução do grupo.

— Presidente, a gente poderia aproveitar para votar a Reforma da Previdência.