Óleo no Nordeste
Brasil Outros 4 navios são investigados como suspeitos por óleo no NE

Outros 4 navios são investigados como suspeitos por óleo no NE

As embarcações, todas de bandeira grega, foram solicitadas a prestar esclarecimentos para a Marinha do Brasil sobre o óleo no nordeste

Outros quatro navios são investigados como suspeitos por óleo

Outros quatro navios, além do Bouboulina, são apontados como suspeitos

Outros quatro navios, além do Bouboulina, são apontados como suspeitos

Reprodução

Outros quatro navios estão sendo investigados pela suspeita de serem responsáveis pelo vazamento de óleo no nordeste pela Marinha do Brasil, segundo documento enviado pelo Brasil para o Ministério de Assuntos Marítimos da Grécia.

Leia mais: Empresa que detectou óleo trabalha para o Ibama, mas não foi acionada

Neste documento o governo brasileiro pede informações sobre o navio Bouboulina, que também é apontado pelas autoridades como suspeito pelo vazamento e destas outras embarcações.

No total, cinco navios são considerados suspeitos pelas autoridades brasileiras. Além do Bouboulina,  a Marinha do Brasil pediu informações dos navios Maran Apollo e Maran Libra, da empresa Maran Tankers, Minerva Alexandra, da empresa Minerva Marine,  e Cap. Pembroke, da Euronav, todos de bandeira grega.

Leia também: Marinha envia maior navio de guerra para o combate ao óleo

Inicialmente, a Marinha analisava cerca de 30 navios, de 11 países que eram considerados suspeitos. Na última sexta-feira (1º), foi quando o Bouboulina, da mepresa Delta Tankers, foi apontado como o principal suspeito de ter provocado a tragédia.

A reportagem do R7 questionou a Marinha do Brasil sobre a solicitação de informações sobre estes navios, mas até a publicação desta reportagem não recebeu resposta.

Todos os navios são de bandeira grega

Todos os navios são de bandeira grega

Reprodução

Bouboulina

A empresa dona do navio Bouboulina, a Delta Tankers, confirmou por meio de um comunicado a imprensa, que recebeu uma notificação das autoridades gregas para fornecer documentação sobre seu navio e que nela foi informado que estas outras embarcações também são investigadas.

A empresa afirma que possui vídeos, relátorios de bordo e documentação que pode comprovar que seu navio não é responsável pelo desastre ambiental e que vai colaborar com as investigações.