Novo Coronavírus

Brasil Pacheco pede à ONU que antecipe entrega de vacinas do Covax Facility

Pacheco pede à ONU que antecipe entrega de vacinas do Covax Facility

Senador classifica atual momento do Brasil como "dramático" e diz que situação configura "risco sistêmico, de alcance planetário"

  • Brasil | Do R7

Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), durante entrevista coletiva

Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), durante entrevista coletiva

Jefferson Rudy/Agência Senado - 30.03.2021

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), enviou ofício ao secretário-geral da ONU (Organização das Nações Unidas), António Guterrez, apelando para a antecipação da entrega de vacinas contra a covid-19 por meio do consórcio internacional Covax Facility.

No documento, enviado após o Senado ter aprovado uma moção de apelo à comunidade internacional para que o País adquira mais imunizantes, o parlamentar descreve o atual momento do Brasil diante da crise sanitária como "dramático".

O texto cita que, em um único dia, o Brasil teve mais vidas perdidas em função da covid-19 do que o ataque terrorista às torres gêmeas, em Nova York, em 11 de setembro de 2001.

"A situação que enfrentamos é dramática. Dados confirmados pela OMS atestam que o Brasil se tornou o epicentro mundial da pandemia de covid-19, com mais de 12 milhões de casos confirmados e 300 mil óbitos. Assistimos, consternados, a uma preocupante aceleração da curva de contágios", afirmou o senador no documento.

Pacheco pontuou ainda que o sistema de saúde nacional está no limite de suas capacidades. "Começam a faltar insumos hospitalares essenciais, leitos de UTI e até mesmo oxigênio e medicação para pacientes em situação crítica. Enfrentamentos, talvez, a maior crise sanitária de nossa história."

Para sensibilizar a comunidade internacional, o senador frisou que a "situação configura risco sistêmico, de alcance planetário" e que "o surto de contágios por que passa o Brasil não tem como ser contido no perímetro das fronteiras nacionais".

Para conter o avanço da pandemia e evitar o eventual surgimento de novas variantes, disse o senador no ofício, o Brasil precisa acelerar a vacinação e imunizar "ao menos um terço da população brasileira". "Estamos falando de mais de 100 milhões de doses de vacina."

De acordo com o Ministério da Saúde, até esta quinta-feira (1º), foram destinadas 43 milhões de doses a Estados e municípios. Destas, mais de 18,5 milhões foram aplicadas. O Brasil tem população estimada em 220 milhões de habitantes.

"À luz do exposto, encareço o especial apoio de vossa excelência ao pleito de que se examine, no âmbito da Covax Facility, a possibilidade de ajuste no cronograma de entrega vacinas do consórcio ao Brasil", afirmou Pacheco no ofício.

Cronograma

A primeira remessa de vacinas contra a covid-19 do consórcio Covax Facility chegou no último domingo (21). O Brasil recebeu 1.022.400 de doses do imunizante Oxford, produzidos pelo laboratório SK Bioscience, da Coreia do Sul.

A expectativa do Ministério da Saúde é que até o fim de março cheguem mais 1,9 milhão de imunizantes, da mesma farmacêutica. O cronograma inicial prevê que o País receberá mais 6,1 milhões de doses de Oxford até o fim do mês de maio.

O contrato brasileiro completo com o Covax Facility, aliança global com 191 países liderados pela OMS, indica a compra de 42,5 milhões de imunizantes até o fim de 2021.

Últimas