Participação feminina legitima democracia, diz desembargador 

Encontro do TRE, transmitido ao vivo no YouTube, reúne personalidades de destaque no cenário jurídico e acadêmico para falar sobre o papel da mulher nas eleições

Evento segue ao longo do dia, até às 17h30 com sete painéis

Evento segue ao longo do dia, até às 17h30 com sete painéis

Divulgação

O presidente do TRE-SP, desembargador Waldir Sebastião de Nuevo Campos Junior fez a abertura oficial da I Conferência de Empoderamento Político das Mulheres na manhã desta quarta-feira (19). O evento é transmitido ao vivo no canal do TRE no YouTube e conta com a participação da jornalista Chris Lemos, âncora do Jornal da Record e segue até às 17h30.

Campos Junior deu boas vindas aos participantes e "destacou a força, a competência" dos participantes e do TRE.

"O evento debate a igualdade de gênero, é uma iniciativa fundamental e deve contribuir para a educação e diminuição das desigualdades", destacou coordenadora do comitê de participação feminina do TRE-SP Maria Cláudia Bedotti na abertura.

O evento é promovido Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo e desenvolvido em por meio da Ejep (Escola Judiciária Eleitoral Paulista) e do Comitê de Participação Feminina. 

São sete painéis reunindo personalidades de destaque no cenário jurídico e acadêmico brasileiro. Em pauta estão educação e conscientização das mulheres, o papel das instituições na promoção da participação feminina na política, cotas de gênero em eleições, candidaturas-laranja, financiamento de campanha para mulheres candidatas, entre outros.

No primeiro painel, com mediação da jornalista Chris Lemos, o desembargador Waldir Sebastião de Nuevo Campos Junior e a desembargadora Marilene Bonzanini discutiram educação e conscientização das mulheres.

"Estamos falando de democracia", destacou Campos Junior. "E democracia vai muito além do voto, é preciso que a pluralidade da nossa sociedade esteja refletida na representação política."

O desembargador relembrou que só em 1932 as mulheres puderam votar no Brasil. "Quando falamos das mulheres, estamos falando da maioria segundo as pesquisas atuais, não é possível imaginar a legitimidade da democracia sem que essa maioria esteja representada."

Para a desembargadora Marilene Bonzanini, "as mulheres resignificaram" seu papel na sociedade no século 20. "Mas e no século 21? Nossa participação está muito aquém, a participação do executivo é pífia considerando a população feminina no Brasil."

"É um problema cultural e temos de encontrar uma forma de rever esse problema, não podemos ter apenas candidatas 'laranjas' ou sem representatividade, a Democracia cresce com o olhar feminino", afirmou Marilene.

A jornalista Chris Lemos também falou da participação feminina na política. "Começo com uma pequena provocação: em quantas mulheres você votou em mulheres na última eleição? Você lembra? É bastante claro que é quase uma exceção votar em mulheres, a política é quase um território de homens."

A jornalista também comparou a realidade brasileira com Chile e Argentina, que contam com maior participação feminina no parlamento. "Estamos falando de paridade de gênero na política, proporções iguais a nossa na representação política do país, temos apenas 15% de mulheres nessa esfera, enquanto passamos mais de 50% da população."

Encontro virtual conta com as palestras da presidente do conselho do Magazine Luiza e do Grupo Mulheres do Brasil, Luiza Helena Trajano, a presidente da Associação Paulista dos Magistrados, Vanessa Mateus, a coordenadora do comitê de participação feminina do TRE-SP, Maria Cláudia Bedotti, entre outras personalidades.

Confira a programação completa:

undefined

undefined

Divulgação