Novo Coronavírus

Brasil Pazuello diz que filha de 12 anos é de esquerda: 'Ela me bate bastante'

Pazuello diz que filha de 12 anos é de esquerda: 'Ela me bate bastante'

Ministro interino da Saúde disse em tom humorado à deputada Jandira Feghali (PCdoB) que garota é "da área" da parlamentar

  • Brasil | Do R7

O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello

O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello

Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados 09/06/2020

O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou nesta terça-feira (9) na comissão da Câmara que acompanha as ações de combate ao coronavírus que sua filha é de esquerda e que “bate bastante” nele.

Pazuello respondia a questionamentos da deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ) quando falou que gostaria de registrar que a filha dele era da “área da deputada”. O presidente da Comissão, deputado Dr. Luizinho, completou: “Ela é de esquerda”, arrancando risos de outros parlamentares presentes à reunião. E Pazuello respondeu, também em tom humorado: “Mais ou menos. Ela tem 12 anos, pode fazer o que ela quiser. Ela me bate bastante”, disse.

O ministro interino completou ainda dizendo ser “pragmático em relação aos alinhamentos e desalinhamentos políticos. Não poderia ser diferente. Eu sirvo ao Brasil. Sirvo aos senhores como um todo”, afirmou.

Dados da covid-19

Eduardo Pazuello afirmou que um novo banco de dados trará informações atualizadas sobre a pandemia de covid-19, com números de infectados e mortes no país e em estados, além de datas em que os óbitos ocorreram. As informações estarão disponíveis com atualizações ao longo de todo o dia, dispensando a realização de coletivas oficiais do governo.

Pazuello: 'Nós estamos trabalhando para mostrar 100% dos dados'

Pazzuelo falou como convidado durante reunião da comissão externa da Câmara dos Deputados que debate ações de combate à covid-19, e disse que é "inescondível o número de óbitos", porque os dados são feitos a partir de "registros, documentos".

A divulgação de dados se tornou polêmica na última semana, após o governo alterar o horário de divulgação das 19h para as 22h. Além disso, o governo recebeu críticas após mudar números de óbitos no domingo (7), de 1.382 mortes para 525, uma redução de 857, o que ocorreu por erro, segundo o Ministério da Saúde.

Também na segunda, o ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), determinou que o governo deve voltar a divulgar os dados no antigo formato. A decisão atendeu pedido feito pelos partidos Rede Sustentabilidade, PCdoB e PSOL,  no sábado.

O novo portal anunciado por Pazuello será no formato BI (Business Intelligence) e vai informar dados assim que eles forem enviados pelos entes federativos.

“Os números estão disponíveis 24 horas. Não precisa me perguntar que horas vai botar o número. Na hora que chega do gestor é colocado no BI. Eu tinha que esperar todos os estados para fazer uma apresentação. Eu estava somando contas que não somáveis, marcando um horário para apresentar uma informação que não dizia nada para os gestores, para o nosso país. As informações agora são plenas, transparentes e em tempo real”, afirmou.

Pazuello: 'Nós estamos trabalhando para mostrar 100% dos dados'

Às 14h desta terça, ainda não era possível acessar o novo site no Ministério da Saúde.

Segundo o ministro interino, o sistema será atualizado considernado o óbito na data em que ele ocorreu. Apesar disso, o novo site também tratá a apresentação na forma como vinha sendo realizada pelo Ministério da Saúde desde o início da pandemia, considerando a morte na data do registro como decorrente de covid-19, após a realização de exames, e não necessariamente na data do óbito. Essa é a forma adotada amplamente no mundo.

Últimas