Brasil Pedro Taques discursa “como perdedor” e Renan ignora acusações

Pedro Taques discursa “como perdedor” e Renan ignora acusações

Candidato favorito, o peemedebista se ateve a falar em planos para sua gestão

Pedro Taques discursa “como perdedor” e Renan ignora acusações

Renan Calheiros (PMDB) e o senador Pedro Taques (PDT-MT), nos corredores do Senado, nesta sexta-feira

Renan Calheiros (PMDB) e o senador Pedro Taques (PDT-MT), nos corredores do Senado, nesta sexta-feira

Ed Ferreira/Estadão Conteúdo

Os candidatos à presidência do Senado Federal discursaram nesta sexta-feira (1º) na tribuna do plenário e defenderam suas candidaturas, antes de os parlamentares começarem a votar. Pedro Taques (PDT-MT) alfinetou o concorrente e favorito na disputa, Renan Calheiros (PMDB-AL), e disse que um presidente do Congresso não poderia ser alguém que teme o passado e o futuro.

Calheiros, por sua vez, defendeu a criação de uma secretaria de transparência e ética, valores que disse ser indispensáveis para o Senado.

Taques foi o primeiro a falar e disse que ocupava a tribuna já como um perdedor. Falou que queria combater "excessos" do Executivo e que esperava que o "anunciado vencedor fizesse a mesma promessa".

— Sou titular da perda anunciada, do que não acontecerá. Mas quero que a sociedade brasileira observe que as coisas podem ser diferentes, que o passado não precisa necessariamente voltar, que há modos novos e melhores de fazer política, que esta Casa não é um apêndice, um "puxadinho" do Poder Executivo.

Gurgel confirma acusações contra Renan Calheiros

Leia mais notícias de Brasil

Em defesa de Renan, Collor acusa Gurgel

Segundo Taques, a volta de Calheiros era como voltas que "criam receios, de continuismo, de letargia, de erros ressurgentes". Provocou e questionou se o concorrente poderia falar de passado e futuro sem temer.

— Como farão os vencedores? Como esteve o Senado, quando ocupado pelos presumidos vencedores de hoje? Posso ser um perdedor, mas para mim, a lisura, a transparência, o comportamento austero são predicados inegociáveis de um presidente do Senado. Será que os vencedores também poderão dizê-lo? [...] Eu detestaria estar no lugar de quem me venceu.

Renan

Renan Calheiros usou a maioria do seu tempo na tribuna para falar em planos de presidente. Não se defendeu de denúncias ou acusações que foram veiculadas nas últimas semanas.

Parlamentares acusados de corrupção devem comandar Congresso pelos próximos dois anos

De ministro a senador investigado após caso extraconjugal: veja a trajetória de Renan Calheiros

Sobre os questionamentos de alguns senadores sobre as denúncias, Renan disse que ética é "obrigação de todos".

— Alguns aqui neste debate falaram sobre ética. Isso seria até injusto com esse Senado Federal, que aprovou celeremente como nunca a Lei do Ficha Limpa, demonstrando que esse é compromisso de todos nós. Não vou citar todos, mas queria lembrar que a ética não é objetivo em si mesmo, objetivo em si mesmo é o Brasil, o interesse nacional. A ética é meio e não é fim. A ética é obrigação de todos nós, responsabilidade de todos nós e dever dese Senado Federal.

Falou também em melhorar a legislação e trabalhar para diminuir a burocracia que "eleva custos, aumenta tempo de produção e reduz competitividade" brasileira. Agradeceu o apoio praticamente unânime dos colegas de partido e pediu os votos "com humildade".

— Com muita humildade peço o apoio e o voto consciente de que a escolha de cada um é acima de qualquer coisa, uma demonstração de prestígio e homenagem e de celebração a democracia.

O peemedebista já foi presidente do Senado, mas renunciou ao cargo em 2007, para fugir da cassação depois de denúncias de corrupção.