Julgamento do mensalão

Brasil Pizzolato é ‘italiano preso na Itália’, diz país europeu

Pizzolato é ‘italiano preso na Itália’, diz país europeu

Segundo a chancelaria italiana, governo de Roma não recebeu pedido de extradição do Brasil

  • Brasil

Para a Justiça italiana, o cidadão Henrique Pizzolato, preso nesta quarta-feira (5), em Maranello, é "apenas um italiano preso na Itália por conta de documentos falsos". Até esta quarta à noite, segundo informou a chancelaria italiana, o governo de Roma não havia recebido nenhum pedido de extradição do Brasil.

O coronel Carlo Carrozzo, do departamento de Modena — a província onde se situa Maranello, cidade onde Pizzolato foi localizado e detido — explicou: "Nosso trabalho foi o de encontrá-lo e prendê-lo. Agora, caberá aos governos da Itália e do Brasil decidir o que fazer".

A chance de extradição, no entanto, é quase nula, na avaliação de estudiosos do direito internacional. "Existe um tratado de extradição entre os dois países, firmado em 1989, mas o que ele diz é que a Itália pode extraditar, se quiser, ou ignorar essa cláusula", afirma o professor Luiz Fernando Kuyven, de direito internacional do Mackenzie.

Pizzolato emitiu passaporte falso quatro anos antes do julgamento do mensalão

Extradição de Pizzolato 'deixaria governo da Itália sob fortes críticas'

PGR solicita extradição de Pizzolato ao Ministério da Justiça

Como ele, o jurista Walter Maierovich diz que é praticamente inviável a Itália entregar um nacional seu à Justiça de outro país. "O Brasil vai fazer o pedido, mas será um pedido inócuo, para jogar para a plateia", advertiu em entrevista a uma emissora de rádio paulistana.

Mas, não extraditando, a Itália tem o dever de julgar. Assim, o mais provável é que Pizzolato seja levado a um juiz de primeira instância, em Modena mesmo. Se condenado, pode recorrer em outras duas instâncias superiores. Na avaliação de Kuyven, o processo não é tão demorado: "Pode durar em torno de um ano e meio".

O problema de Pizzolato é que no julgamento poderão ser levadas em conta as informações repassadas pela Polícia brasileira — ou seja, todo o processo em que foi condenado a 12 anos e sete meses de prisão, por corrupção ativa, lavagem e peculato. "É o que se chama jurisdição extraterritorial", explica Kuyven

Na sua entrevista, Maierovich levantou outra possibilidade: a de que, por ter entrado irrregularmente, Pizzolato seja obrigado a deixar a Itália para entrar de novo, com documentação regular. Mas se saísse, "certamente seria preso por autoridades da Polícia Europeia". 

Veja as notícias do R7 na palma da mão. Assine o R7 Torpedo

Últimas