João de Deus
Brasil Polícia apreende esmeraldas e mala de dinheiro em casa de João de Deus

Polícia apreende esmeraldas e mala de dinheiro em casa de João de Deus

Médium está preso desde o último domingo (16) após centenas de denúncias de abuso sexual; STF deve julgar liberdade nesta sexta-feira (21)

Polícia apreende esmeraldas e mala de dinheiro em casa de João de Deus

Polícia apreendeu dinheiro e pedras preciosas

Polícia apreendeu dinheiro e pedras preciosas

Polícia Civil/Divulgação - 21.12.2018

A Polícia Civil de Goiás apreendeu nesta sexta-feira (21) pedras preciosas e dinheiro em três endereços ligados a João Teixeira de Faria, conhecido como João de Deus, acusado de cometer abuso sexual durante os atendimentos espirituais.

Na última quarta (19), em outra busca, a Polícia Civil encontrou aproximadamente R$ 405 mil em dinheiro vivo. Além disso foram encontradas cinco armas, uma delas com a numeração raspada.

De acordo com o delegado-geral, André Fernandes, as pedras encontradas nesta sexta - que foram identificadas como esmeraldas - passarão por perícia. A polícia encontrou ainda um cofre em um fundo falso na casa do médium.

Nas buscas, estavam presentes a promotoria, a vigilância sanitária e a Polícia Técnica Científica para complementar o inquérito que acusa João de Deus de abuso sexual.

João de Deus está preso desde o último domingo (16) após se entregar às autoridades.

Nesta quinta (20), a Polícia Civil indiciou o médium por violação sexual mediante fraude. O STF (Supremo Tribunal Federal) pode decidir sobre a liberdade do médium nesta sexta-feira (21).

Entenda o caso

João Teixeira de Faria, conhecido como João de Deus, está sendo acusado por diversas mulheres de abuso sexual durante os atendimentos espirituais na Casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia, interior de Goiás.

Após as primeiras denúncias, o MP-GO (Ministério Público de Goiás) criou uma força-tarefa, que conta com quatro promotores, seis delegados e duas psicólogas para atenderem o caso.

Na noite de quarta (12), a Promotoria de Justiça de Goiás solicitou a prisão preventiva do médium, cinco dias depois de as primeiras denúncias de abusos sexuais começarem a aparecer.

Em sua primeira aparição pública após as denúncias, na manhã de quarta-feira (12), João de Deus ficou cerca de 10 minutos na Casa Dom Inácio de Loyola, em Abadiânia, interior de Goiás. O médium se disse inocente e declarou que estava à disposição da Justiça.

Na tarde de domingo (16), João de Deus se entregou às autoridades.

Até a tarde de segunda-feira (17), a força-tarefa do MP-GO tinha recebido um total de 506 mensagens sobre a investigação contra o médium.

Confira as fotos na galeria abaixo:

    Access log