Brasil Politização do Exército é irresponsável, diz Santos Cruz

Politização do Exército é irresponsável, diz Santos Cruz

"Um mau exemplo, que não pode ser seguido. Péssimo para o Brasil", afirmou ex-ministro ao criticar Pazuello e Bolsonaro em  ato

Agência Estado
O general da reserva Carlos Alberto Santos Cruz, ex-ministro de Bolsonaro

O general da reserva Carlos Alberto Santos Cruz, ex-ministro de Bolsonaro

Adriano Machado/Reuters


O ex-ministro da Secretaria de Governo general Santos Cruz comentou, no Twitter, sobre a participação do general e ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello em ato político com o presidente Jair Bolsonaro, no Rio de Janeiro, neste domingo (23).

"De soldado a general tem que ser as mesmas normas e valores. O presidente e um militar da ativa mergulharem o Exército na política é irresponsável e perigoso. Desrespeitam a instituição. Um mau exemplo, que não pode ser seguido. Péssimo para o Brasil", escreveu Santos Cruz.

Acompanhado por Pazuello, pelo ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, e mais uma dezena de apoiadores - todos sem máscaras e sobre um carro de som - o presidente Jair Bolsonaro discursou ontem para milhares de apoiadores no Aterro do Flamengo, no Rio.

A presença de Pazuello, uma general de divisão da ativa, em manifestação político-partidária sem que ele exerça cargo no governo que justifique sua ida ao local, causou constrangimento na cúpula do Exército e reações de políticos.

O comando da Força deve tratar do caso nesta segunda-feira (24). É que a legislação - o Estatuto dos Militares e o Regulamento Disciplinar - proíbem que militares da ativa participem desse tipo de ato ou se manifestem politicamente. Recentemente, a instituição apertou o cerco a oficiais que faziam posts políticos em redes sociais.

Últimas