Novo Coronavírus

Brasil Possível sucessor de Maia, Marcos Pereira prega equilíbrio de Poderes

Possível sucessor de Maia, Marcos Pereira prega equilíbrio de Poderes

Primeiro vice-presidente da Câmara, deputado do Republicanos também falou sobre possível ida de Jair Bolsonaro para o partido e a disputa pela vacina

  • Brasil | Do R7

Pereira é pré-candidato para comando da Câmara

Pereira é pré-candidato para comando da Câmara

Michel Jesus/Câmara dos Deputados

O primeiro-vice-presidente da Câmara, Marcos Pereira (Republicanos-SP), é apontado como um dos principais candidatos a substituir Rodrigo Maia (DEM-RJ) no comando da Casa. Ele prega equilíbrio e moderação entre os Poderes da República.

Em entrevista ao JR Entrevista, Pereira falou sobre a possível ida de Jair Bolsonaro ao Republicanos, disputa política em torno da vacina contra o coronavírus e sobre a sucessão na Câmara.

Quanto à possibilidade de reeleição dos presidentes da Câmara e do Senado, caso o STF (Supremo Tribunal Federal) dê sinal verde para isso ocorrer, Pereira disse que Davi Alcolumbre (DEM-AP) teria grandes chances de vencer de novo no Senado.

"Se o Supremo disser que sim, a impressão que eu tenho, com base nas conversas que eu tenho tido, é que Davi tem maioria para ser reeleito [no Senado]. Na Câmara, já há bastante divisão sobre esse assunto e eu quero crer na palavra do Rodrigo Maia que tem dito, mesmo que ele tenha o direito, ele não exercerá", afirmou.

Sobre uma possível ida de Bolsonaro para o Republicanos, disse que nunca conversou sobre o assunto com o chefe do Executivo federal.

"Isso é muito especulado pelo fato de existirem dois filhos do presidente filiados ao partido. Então, parece, para a sociedade, analistas políticos e até para o meio político, uma coisa meio que natural. [...] Mas nós nunca conversamos sobre isso e é importante registrar que, na forma como o presidente colocou em algumas ocasiões nas suas redes sociais, de que para ele ir para um partido ele precisaria ter o comando do partido, pelo menos é isso o que tem sido veiculado na imprensa, nós teríamos grandes dificuldades em recebe-lo. Porque não podemos abrir mão da condução e do comando do partido", explicou.

Vacina contra a covid

Pereira ainda condenou a disputa política, no país, que permeia a vacina para combater o coronavírus. Para ele, isso é motivo de consternação, uma vez que a população é a principal interessada.

"Vejo com muita preocupação, não deveríamos antecipar esse debate político que deveria acontecer em 2022 e, sobretudo, com um tema de tanta sensibilidade que é o tema da vacina para o combate ao coronavírus", disse.

Últimas