Novo Coronavírus

Brasil Prefeitos temem falta de seringas para vacinas fora covid-19

Prefeitos temem falta de seringas para vacinas fora covid-19

Alertas feito pela Frente Nacional de Prefeitos ocorre após Bolsonaro ter suspendido a compra de insumos 

Agência Estado

Resumindo a Notícia

  • Bolsonaro anunciou hoje (6) a suspensão da compra de seringas e agulhas
  • Presidente afirmou nas redes sociais que vai esperar os preços baixarem
  • Ele destacou também que cidades e estados têm materiais suficientes para iniciar vacinação
  • FNP alertou que pode desabastecimento para atender outras necessidades
Bolsonaro anunciou que suspendeu compras de seringas para vacina contra a covid-19

Bolsonaro anunciou que suspendeu compras de seringas para vacina contra a covid-19

Dado Ruvic/Illustration/Reuters - 05.01.2021

A FNP (Frente Nacional de Prefeitos) alertou para o risco de faltarem seringas e agulhas nos estoques dos municípios para atender outras necessidades além da vacinação contra a covid-19.

O posicionamento da entidade, que representa cerca de 400 prefeituras de cidades com mais de 80 mil habitantes, se refere ao anúncio, pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, de que o Ministério da Saúde havia suspendido a compra desses insumos até os preços voltarem à normalidade.

Ao informar a suspensão, o chefe do Planalto afirmou que Estados e municípios têm estoques dos materiais suficientes para iniciar a vacinação nacional, já que, nas suas palavras, "a quantidade de vacinas num primeiro momento não é grande".

Para a FNP, um plano de imunização tão urgente e abrangente como o contra o novo coronavírus demanda planejamento, organização e uma complexa logística de aquisição e distribuição de insumos.

Seria fundamental, portanto, que já se preveja como o estoque regular de agulhas e seringas será reposto "para que a população não sofra com uma possível falta de materiais para outras necessidades de saúde".

"O que o Brasil precisa, e que a FNP vem demandando desde o início da pandemia, é de uma coordenação nacional, com a participação de Estados e municípios para enfrentar à covid-19 de forma compartilhada e complementar, como é a premissa do Sistema Único de Saúde (SUS)", aponta a entidade em nota.

"Ações descoordenadas, imprecisas e pouco alicerçadas em informações confiáveis só tumultuam ainda mais o crítico cenário que o Brasil atravessa", conclui.

Últimas