Brasil Presidenciáveis condenam ataques à caravana de Lula

Presidenciáveis condenam ataques à caravana de Lula

Geraldo Alckmin, Temer, Henrique Meirelles, Guilherme Boulos e Manuela D'Ávila usaram redes sociais para criticar episódio ocorrido no PR

Presidenciáveis condenam ataques à caravana de Lula

Marca de tiro em um dos ônibus da caravana

Marca de tiro em um dos ônibus da caravana

Joka Madruga/Futura Press/Folhapress - 27.3.2018

Pré-candidatos à Presidência da República, Geraldo Alckmin (PSDB), Henrique Meirelles (PSD), Manuela d´Avila (PCdoB), Marina Silva (Rede) e Guilherme Boulos (PSOL) condenaram nesta quarta-feira (28), em suas contas no Twitter, os ataques feitos contra a caravana do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo sul do País. Na terça-feira (27), dois ônibus que levavam parte da equipe do petista foram atingidos por tiros no Paraná. Ninguém se feriu.

Para Alckmin, “toda forma de violência deve ser condenada”. De acordo com o governador paulista, é papel das autoridades apurar e punir os tiros contra a caravana do PT. "E é papel de homens públicos pregar a paz e a união entre os brasileiros. O País está cansado de divisão e da convocação ao conflito", escreveu.

Na noite desta terça, no entanto, o tucano havia adotado um discurso menos conciliatório, e até mesmo surpreendente, ao declarar à Folha de S.Paulo que o "PT estava colhendo o que plantou".

A postura de Alckmin em relação ao futuro de Lula tem sido de cautela. De olho nos votos do PT, no caso de o ex-presidente ser impedido pela Justiça Eleitoral de disputar a eleição, o tucano tem evitado fazer ataques a Lula ou mesmo ao seu partido. Até mesmo sua posição em relação à prisão em segunda instância foi tornada pública apenas nesta terça. "Eu sou favorável a manter (o entendimento atual) porque, se não mantiver, vai transformar praticamente os tribunais regionais em tribunais de passagem para depois lá na frente ter uma decisão final."

Segundo o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, em um democracia as divergências políticas devem ser resolvidas nas eleições, atrás do debate e do respeito ao resultado eleitoral. "O que aconteceu ontem no Paraná foi um atentado contra a liberdade de expressão de um líder político e isso é inadmissível numa democracia", disse.

Marina Silva afirmou que repudia veementemente os tiros disparados contra a caravana do ex-presidente. "O uso da violência com motivações políticas é uma afronta ao regime democrático", disse. "Devemos lutar pelo direito a livre manifestação e pelo respeito às instituições da Justiça, que são preceitos constitucionais e alicerces fundamentais da nossa democracia", completou.

Pré-candidata pelo PCdoB, Manuela d’Avila afirmou que estará com Lula nesta quarta-feira em Curitiba. "Transformemos o ato da caravana de Lula de hoje, em Curitiba, num grande ato de resistência ao fascismo e ao ódio. De reafirmação do compromisso com a democracia", afirmou. Presidenciável pelo PSOL, Guilherme Boulos também é esperado na capital paranaense.

"Os fascistas ultrapassaram qualquer limite. Toda solidariedade a Lula contra as agressões. É momento de unidade democrática e de resistência ativa. Com fascismo não se brinca", afirmou Boulos, que considerou a declaração de Alckmin (PT colhe o que planta) como "um aplauso ao fascismo."

A preocupação com a segurança do ex-presidente será pauta de uma reunião na manhã desta quarta entre congressistas do PT e o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, que classificou o episódio no Paraná como "inaceitável". A Polícia Civil do Paraná instaurou inquérito policial para investigar o ataque. Já a PM paranaense afirmou que reforçará o policiamento.

Nesta quarta-feira, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL), também pré-candidato à Presidência, e o Movimento Brasil Livre participam de atos em Curitiba, onde está a caravana de Lula.

Visita cancelada

Após o episódio, o ex-presidente Lula cancelou sua passagem por Guarapuava (PR) na manhã desta quarta-feira. A informação é do diretório municipal do PT na cidade.

O presidente do partido em Guarapuava, Antenor Gomes de Lima, divulgou um comunicado nas redes sociais afirmando que o cancelamento foi decidido por medo de novos ataques à caravana e para preservar a segurança de Lula.

O petista, contudo, manteve a agenda prevista para Curitiba, às 17h, onde encerra sua caravana pela região.

— A gente evitou que houvesse uma violência maior aqui em Guarapuava. Nos perdoem, a gente tinha que preservar algo maior, que é a segurança dos guarapuavanos e do presidente Lula, que vem sendo ameaçado por esses que têm medo de perder a eleição, disse o presidente do diretório.

Em um vídeo no Facebook, Gomes afirma que eleitores do deputado Jair Bolsonaro (PSL), pré-candidato à Presidência da República e que também está no Paraná nesta quarta-feira, vem promovendo ódio durante a passagem de Lula pelo Sul do país.

Em Guarapuava, havia registro da presença tanto de apoiadores quanto de manifestantes críticos ao ex-presidente.

— Lamento informar que devido à emboscada que a caravana do presidente Lula sofreu foi necessário cancelar a passagem por Guarapuava. Lamentamos mais ainda o clima de terrorismo que se instaurou na cidade motivado pelo ódio. Guarapuava, que sempre foi conhecida como cidade acolhedora, ontem e hoje se tornou hostil aos que gostariam de visitá-la, escreveu Gomes.