Julgamento do mensalão

Brasil Preso na Itália dois anos atrás, Pizzolato chega ao Brasil para cumprir pena do mensalão

Preso na Itália dois anos atrás, Pizzolato chega ao Brasil para cumprir pena do mensalão

Após fuga do País em 2013, ex-diretor de marketing do BB ficará 12 anos e 7 meses na prisão

  • Brasil | Do R7

Equipe da PF com quatro pessoas escolta Pizzolato até o Brasil

Equipe da PF com quatro pessoas escolta Pizzolato até o Brasil

Jamil Chade/22.10.2015/Estadão Conteúdo

Quase dois anos após fugir para a Itália, o ex-diretor de marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato — condenado no mensalão a 12 anos e 7 meses de prisão — desembarcou, na manhã desta sexta-feira (23), no Aeroporto Internacional de Guarulhos (SP). Ele vai cumprir sua pena na cadeia da Papuda, em Brasília.

Pizzolato decolou em um voo comercial da TAM de Milão, na Itália, por volta das 22h40 no horário local (18h40) da quinta-feira (22). A informação de que a aeronave chegou ao Brasil foi confirmada pela assessoria do aeroporto. 

Durante o voo, ele foi escoltado por três policiais e uma médica da PF (Polícia Federal).

De São Paulo, Pizzolato segue em aeronave da PF para Brasília, onde deve passar por uma série de exames no IML (Instituto Médico Legal). Em seguida, será transferido para o Complexo Penitenciário da Papuda.

Leia mais notícias de Brasil e Política

No último dia 6 de outubro, a Corte Europeia de Direitos Humanos rejeitou a última tentativa de recurso de Pizzolato contra sua extradição para o Brasil.

No recurso protocolado na corte, a defesa de Pizzolato, como nas demais ações contra a extradição, voltou a alegar que os direitos humanos não são respeitados nos presídios brasileiros. O argumento foi usado pela defesa para pedir que o ex-diretor do Banco do Brasil continuasse na Itália.

O ministro da Justiça da Itália, Andrea Orlando, decidiu adiar por duas semanas a entrega de Henrique Pizzolato às autoridades brasileiras, anteriormente prevista para o dia 7 deste mês.

Linha do tempo

Agosto de 2012 - Pizzolato é condenado pelo STF (Supremo Tribunal Federal) por corrupção passiva, peculato e lavagem de dinheiro

Novembro de 2013 – Pizzolato foge para a Itália com o passaporte falso de um irmão morto para evitar ser preso no Brasil

Novembro de 2013 – No dia 18, o nome dele foi incluído na lista de procurados internacionais, conhecida como difusão vermelha, da Interpol

Janeiro de 2014 – Polícia Federal, em conjunto com a polícia italiana, localiza Pizzolato no norte da Itália

Fevereiro de 2014 – Pizzolato é preso em Maranello por porte de documento falso. Ele estava escondido na casa de um sobrinho

Outubro de 2014 – Ex-diretor do Banco do Brasil é solto pela Justiça da Itália

Fevereiro de 2015 – Após recurso apresentado pelo Brasil, finalmente a extradição foi autorizada pelas autoridades italianas e Pizzolato volta à prisão

Abril de 2015 – No dia 24, a Justiça da Itália reafirma decisão de extraditar Pizzolato ao Brasil

Setembro de 2015 – Após novo recurso apresentado pela defesa do brasileiro, o Conselho de Estado italiano considerou que o Brasil reuniu informações consistentes e suficientes a respeito das condições para o cumprimento da sentença

Outubro de 2015 – Corte Europeia de Direitos Humanos recusa a última tentativa de recurso de Pizzolato contra sua extradição para o Brasil

Últimas