Brasil PSDB afirma que não deu apoio a ato contra Dilma

PSDB afirma que não deu apoio a ato contra Dilma

Manifestação reuniu 2,5 mil pessoas. Alguns manifestantes pediam intervenção militar no País.

PSDB afirma que não deu apoio a ato contra Dilma

Vice-presidente do PSDB, Goldman negou participação no ato

Vice-presidente do PSDB, Goldman negou participação no ato

José Cruz/13.jun.2005/ABr

Dirigentes do PSDB afirmaram no último domingo (2) que o partido não teve participação na organização do ato realizado na região da Avenida Paulista pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff. Os tucanos atribuíram as manifestações ao que chamam de sentimento de indignação com o PT no governo e na campanha eleitoral. Já os petistas classificaram o protesto como "golpista".

O ato reuniu cerca de 2,5 mil pessoas, segundo a Polícia Militar. Alguns manifestantes exibiram cartazes que pediam intervenção militar no País.

"Não houve nenhuma intervenção partidária. Nem nossa, nem de nossos aliados na mobilização. É um ato espontâneo, voluntário, produto de uma indignação que está existindo", afirmou Alberto Goldman, vice-presidente nacional do PSDB. "Muita gente indignada não só com o resultado (das eleições), mas porque o resultado é também fruto de uma das campanhas de mais baixo nível de que tivemos conhecimento."

Leia mais notícias no R7

Goldman afirmou que o PSDB não fará nenhum apelo a instrumentos "antidemocráticos" para fazer oposição ao governo Dilma.

Presidente do PSDB paulista, o deputado Duarte Nogueira disse que o partido não tem responsabilidade na organização do ato. Segundo ele, a sigla fará oposição "sem dar dimensão a processos exacerbados". "Nós queremos a fiscalização, a contestação. Vamos cobrar as promessas firmadas, mas não é necessário a gente dar dimensão para esse processo um pouco mais exacerbado."

O deputado federal José Aníbal também atribuiu à campanha eleitoral o sentimento de irritação nas ruas. Segundo ele, porém, isso não é argumento que justifique as manifestações por uma intervenção militar. "Espero que tudo isso rapidamente se canalize para uma ação política de cobrança, de fiscalização, de vigência de mudança efetiva", afirmou.

"Acho isso (manifestações em defesa de uma intervenção militar) totalmente fora de propósito. Não faz o menor sentido. A coisa mais distante de nós é qualquer veleidade golpista", afirmou o tucano, que foi perseguido pela repressão durante a ditadura e foi obrigado a deixar o País em 1973. Ele viveu no exílio até 1979.

Golpismo

No PT a ordem é ignorar as manifestações, que o partido classifica como golpistas, e concentrar esforços na construção da governabilidade do segundo mandato de Dilma. "A resposta da minha parte será ignorá-los", disse Jorge Coelho, um dos vice-presidentes do PT.

Segundo ele, protestos como o de sábado indicam a possibilidade do surgimento de um novo partido de extrema-direita. O presidente da Câmara Municipal de São Paulo, José Américo, secretário de Comunicação do PT, classificou o ato como um "ponto fora da curva".

"Todo mundo tem direito de protestar, mas um protesto que pede a volta dos militares é extremamente comprometedor para a democracia", afirmou o dirigente petista. "Pedir o impeachment de uma presidente poucos dias depois da eleição é golpismo", completou.