PSDB orienta bancada a votar a favor de denúncia contra Temer

Determinação vai contra o relator da denúncia, Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG)

Estratégia tucana seria constranger ministros do partido que foram exonerados

Estratégia tucana seria constranger ministros do partido que foram exonerados

Valter Campanato/Agência Brasil

O líder do PSDB na Câmara dos Deputados, Ricardo Tripoli (SP), orientou a bancada tucana, formada por 46 deputados, a votar a favor do prosseguimento da denúncia contra o presidente Michel Temer.

Em seu discurso no planário da Casa, Tripoli disse que o cidadão brasileiro está entre as disputas partidárias, "que não aguenta mais o acirramento político estéril, enquanto o País afunda, as contas públicas se agravam e o desemprego assola às famílias".

— Com tanto escândalo e denúncia, o cidadão está exausto, desesperançado e descrente no País.

O líder tucano ainda afirmou que a sigla não tem interesse no fracasso do governo. Na avaliação dele, "quem sofre as consequências da irresponsabilidade, da incompetência, e da governança predatória, são sempre os mais frágeis, os mais pobres, os que mais precisam do Estado".

Manobra

A decisão do PSDB seria uma manobra do líder para constranger ministros que foram exonerados pelo Palácio do Planalto, com o objetivo de ajudar Temer na votação.

Dos 10 ministros exonerados nesta quarta-feira (2) por Temer, que são deputados federais e podem participar da sessão, dois são tucanos: o ministro da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy (PSDB-BA) e o ministro das Cidades, Bruno Araújo (PSDB-PE). Com isso, Araújo e Imbassahy vão, na prática, ter que contrariar a orientação do próprio partido.

Além disso, o painel de votação exibirá uma orientação diferente daquela apresentada pelo relator da denúncia, deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), que recomendou a rejeição da admissibilidade do pedido da PGR (Procuradoria-Geral da República). Parte da bancada do PSDB se reuniu na manhã desta quarta-feira para discutir o assunto, mas o encontro acabou esvaziado diante da divisão interna na legenda.

A expectativa é que o PSDB registre maioria a favor da denúncia e contra o presidente Michel Temer. Os deputados do grupo conhecido como "cabeças-pretas" esperam conseguir até 30 votos contra o governo.